15/09/2020

O homem de pé

Tags: BLOG

15/09/2020 - Por: Magno Melo

Paulo de Tarso, talvez o mais versado escritor do Novo Testamento, por carta, dirigiu-se certa vez à Igreja em Tessalônica, mencionando que o homem devia ter seu espírito, alma e corpo irrepreensíveis diante de Deus e descreveu como isso era possível por meio de um relacionamento com Ele. Espírito aponta para a verdadeira natureza do homem, seu interior, a alma refere-se ao poder racional, volitivo e emocional, e, claro, o corpo é a matéria física do ser humano. Interessante notar a ordem mencionada por Paulo, comumente citada em nossos dias na ordem contrária, corpo, alma e espírito, mas a ordem inversa é um equívoco, impedindo-nos de nos tornarmos irrepreensíveis diante do Pai.

A ordem apresentada por Paulo, que foi intencional, coloca em primeiro lugar o espírito interior do homem, a parte humana que deve ter a primazia de controle, ou seja, o espírito deve comandar a alma e o corpo, e não o contrário. O espírito é a única parte da natureza do homem que pode se relacionar com Deus, adorando-O, ouvindo-O, tendo consciência ativa da Sua presença, sendo alimentado, restaurado e continuamente transformado por meio desse relacionamento, num sempre crescente resplendor, tanto pela oração quanto pela leitura e meditação na Palavra. O fim é que o espírito do homem esteja voluntariamente dependente do Espírito de Deus, conformado com o caráter reto de Deus.

O lugar da alma é a de receber comandos do espírito renovado e obedecê-los. Quando o espírito está ligado a Deus, sua influência sobre a alma é favorável a ela, o que renderá frutos; afinal, é pela alma que o homem raciocina e expressa a sua vontade, decide e comanda suas ações. Agindo assim, vive uma vida mais livre, alegre e produtiva, apesar das possíveis adversidades e limitações. Por outro lado, o que se vê constantemente são pessoas controladas por suas emoções muitas vezes feridas, pensamentos estreitos e aprisionados, vontade fraca e desprovida de ação, que resultam numa existência de poucas realizações, tristes, desiludidas e permeadas por toda sorte de medos, cativas.

Aquele que vive uma vida baseada no movimento ondulatório da alma, sujeita às intempéries da emoção, da procrastinação, do pensamento limitador, acaba por prejudicar seu corpo, que recebe toda essa carga negativa que se aloja na carne, produzindo toda sorte de doenças. Esse poderia ter, por exemplo, o auxílio das ferramentas de coaching para trabalhar as áreas deficientes da alma e obter novos resultados. Sob outra perspectiva, quando o espírito do homem é orientado por Deus e comanda a alma, a alma torna-se equilibrada, racional e emocionalmente, e suas decisões e ações trarão benefícios para o corpo, mantendo-o saudável pelo exercício, pela alimentação e pelo descanso, longe das influências sentimentais desfavoráveis.

Paulo estava consciente de que o homem é um ser espiritual, que possui uma alma e habita num corpo. Essa é a figura do homem em pé. A ordem contrária coloca o homem de cabeça para baixo. Agora mesmo qualquer pessoa pode decidir ficar devidamente ereto. Ainda que necessite do auxílio de alguém que lhe estenda a mão, é possível, realizável e, certamente, é um caminho muito mais satisfatório que continuar sendo a mesma pessoa de ponta cabeça de sempre. Paulo convida a todos a terem um relacionamento pessoal com Deus e Sua Palavra, e esse convite pode ser aceito por qualquer pessoa!

Desejando conhecer em que o coaching baseado na Palavra de Deus pode te ajudar, leia a obra Através do Tabernáculo de Moisés, e fique de pé!


 

Magno Melo é pastor, professor, escritor e coach. Na comunidade eclesiástica trabalha junto à Rede de Homens para apresentar todo varão a Deus aperfeiçoado (Cl 1:28). Como professor, trabalha com adolescentes desde 1992, e em 2015 criou o programa “Redesenhando Meus Limites”, ensinando ferramentas de coaching para estudantes. Escritor desde 2018, é autor de um livro de coaching voltado para o público cristão, além de coautor em duas outras obras sobre coaching para o público em geral.