06/12/2018

Entre Viajar e Ler um Livro, Escolha os Dois

Tags: BLOG

28/10/2018 - Por: Elilde Browning

 

O processo de criação de uma obra literária é um trabalho prazeroso e compensador, principalmente quando percebemos que o leitor identifica-se com as mensagens e as emoções dos personagens e passa a pensar e refletir sobre os questionamentos da narrativa.
Escrever é ter a felicidade à nossa disposição e segurá-la para que não fuja. Quando decidimos escrever um livro a primeira dificuldade é como iniciar o relato, e, mais ainda, como concluir. Durante o desenrolar da narrativa as emoções e um universo de ideias brotam espontaneamente levando-nos a vivenciar uma suprarrealidade como se estivéssemos no pensar e no agir de todos que compõem o enredo.

A vida é um constante desafio, e para conquistarmos o nosso lugar neste planeta precisamos cultivar a sabedoria e a criatividade. Essas armas nos são ofertadas mediante a observação constante do que acontece ao nosso redor, a leitura de mestres da literatura e o amor próprio que cada um deve ter em todos os momentos do viver.

Nascemos sozinhos e certamente morreremos da mesma forma. Entretanto durante a nossa permanência neste mundo ter uma crença, uma família e amigos nos ajuda a transpor os obstáculos encontrados pelo caminho.

Ser feliz é um sonho de todos os viventes, porém para se alcançar a felicidade existe um longo caminhar que envolve, acima de tudo, bem estar-físico e mental. Portanto adquirir hábitos saudáveis contribui para se ter saúde, o que é sem dúvidas um fator fundamental da vida.

Todas as portas para o bem e o mal estão abertas à nossa disposição. Cada uma tem atrativos de forma convincente. Fazer escolhas acertadas não é uma tarefa fácil. É nesse momento que se faz necessário usar o bom senso, e, sobretudo, ouvir o nosso eu interior. Ele fica de plantão se assim quisermos.

Jamais seremos os mesmos após a leitura de um livro ou de uma viagem. Essas duas situações enriquecem o nosso viver, ampliam os nossos horizontes e passamos a ver o mundo de forma diferente.

O poder da mente precisa ser exercitado visualizando antecipadamente o que queremos ao final da caminhada. Nenhum vento é favorável para quem não sabe aonde quer chegar. Faz-se necessário ter consciência de que nada é fácil, mas com coragem e determinação é possível realizar todos os nossos sonhos.

Investir em conhecimento é o melhor caminho para uma vida promissora, porque a nossa visão do mundo se amplia e isso nos dá condições para compreender melhor as pessoas e o mundo que nos cerca.

Não se intimide com as dificuldades que inevitavelmente surgirão. Nesses momentos será preciso muita força de vontade, coragem e determinação para vencer os obstáculos. A vitória pertence aos fortes e corajosos. Seu sabor é incomparável!

Vivencie tudo isso e muito mais lendo o livro E assim foi a vida, de Elilde Browning.


Foto: Arquivo pessoal da autora

Elilde Browning é licenciada em Letras Modernas (Português e Inglês) pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José dos Campos, São Paulo. Aposentada, viúva e residente na cidade de Ubatuba, São Paulo.

Atividades Laborais:
Secretária-geral da Fundação Valeparaibana de Ensino de São José dos Campos (São Paulo); secretária-geral da Osec (Organização Santamarense de Educação e Cultura), atual Universidade de Santo Amaro (São Paulo); professora de Língua Portuguesa e Inglesa na Fundação Valeparaibana de Ensino de São José dos Campos; professora de Língua Portuguesa e Inglesa na Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo; professora de Língua Portuguesa e Inglesa no Colégio Módulo de Caraguatatuba, São Paulo.

É cidadã brasileira e americana. Morou nos Estados Unidos por 15 anos, nas cidades de Miami e New Jersey. Foi casada com o americano Walter Browning, com o qual construiu um barco de nome Elan, que foi tema de um documentário da TV Cultura de Miami em 1996.

Durante oito anos, viajou com o seu marido pelo mundo, visitando França, Itália, Espanha, Inglaterra, Portugal, Canadá, Costa Rica, México, Bahamas, Venezuela, Porto Rico, República Dominicana, Colômbia e Panamá.

É mosaicista há 15 anos, e alguns de seus trabalhos estão em Nova York, Suécia, Madri e Miami.