08/12/2020

Comunicação para o SUS: estratégias integradas e multimídia

Tags: BLOG

08/12/2020 - Thiago Passaro

A pandemia do novo coronavírus colocou ainda mais em evidência a relevância do Sistema Único de Saúde (SUS) para os brasileiros e a importância da comunicação em saúde. Isso significa que prevenção, assistência e promoção de saúde para todos, bem como o acesso à informação salvam vidas!

O SUS é um dos maiores sistemas universais de saúde do mundo e o único a prestar serviços gratuitos para uma população com mais de 200 milhões de habitantes. O Sistema de Saúde brasileiro vai para além dos procedimentos feitos em unidade de saúde, que incluem desde uma simples aferição da pressão arterial até transplantes de órgãos; o SUS está na água que a gente bebe, na vacina que tomamos no “posto”, no restaurante que comemos, na camisinha distribuída no Carnaval, em instituições de ensino e pesquisa, ou seja, está nas nossas vidas.

E como disse Inesita Soares de Araújo, uma incrível pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), “não se tem saúde sem comunicação. Comunicação é Saúde”[1]. Para o SUS, então, o acesso à informação é fundamental e se junta aos princípios do sistema, como um direito do cidadão. Trata-se, portanto, de uma comunicação universal, integral, equânime, descentralizada, hierárquica e com participação social.

Além disso, a minha pesquisa de mestrado[2] também apontou que a comunicação na saúde pública deve ser ainda estratégica, integrada e multimídia, ou seja, que utiliza diferentes estratégias, meios e áreas da própria comunicação, aproveitando os recursos e as potencialidades de cada, para obter resultados mais eficientes e eficazes, ao ampliar a abrangência e ser mais assertiva.

Para isso, criei uma mandala, a chamada “Comunicação Combinada”, composta por 12 eixos de comunicação (comunicação interna, assessoria de imprensa, cerimonial/eventos, criação/publicidade, audiovisual, site/portal, redes sociais, aplicativos para dispositivos móveis, jogos, fotografia, parcerias e realidade virtual, realidade aumentada e produções em 360°), e que podem estar à disposição das Secretarias Municipais da Saúde para serem colocados em prática em conjunto e, evidentemente, de acordo com as realidades e necessidades locais.

No meu mais novo livro, Comunicação Combinada: Estratégias Integradas e Multimídia para a Saúde Pública Municipal, lançado agora em dezembro de 2020 pela Editora Appris, você confere com mais detalhes cada um desses 12 eixos da mandala e a importância da integração e da multimidialidade para a comunicação. O objetivo é que a comunicação e saúde seja cada vez melhor para que haja mais qualidade de vida!

Imagem 1 – Mandala da Comunicação combinada: 

 

[1] Artigo “Lugar de fala, interlocução e escuta, pelo qual se possa conhecer, compreender e apoiar as lutas de Comunicação e Saúde”, publicado a revista Ensaios & Diálogos em Saúde Coletiva, número 4, edição de junho de 2017. O texto pode ser acessado em: https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2017/06/comunicacao_PDF.pdf.

[2] A dissertação A Comunicação estratégica, integrada e multimídia na saúde pública municipal foi defendida em 2019 no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul.