30/04/2021

Escola e família: o desafio de superar a síndrome do cabo de guerra

Tags: BLOG

30/04/2021 -   Maria Cristina Labate Mantovanini e Patrícia Rossi Torralba Horta

O diálogo entre a família e a escola, nos dias atuais, está se tornando cada vez mais difícil, provocando descompasso de intenções e estranhamento mútuo.

Parte dessa desarmonia pode ser explicada pela confusão de papéis, confusão esta gestada pelas transformações ocorridas tanto nas famílias quanto na escola. Antigamente, havia um consenso tácito, uma legitimação da responsabilidade de cada uma dessas instituições: as famílias não questionavam a escola e apoiavam seus métodos educacionais, enquanto a escola, por sua vez, não impunha objeções ao modo de viver das famílias de seus alunos. Estabeleciam, dessa forma, uma parceria, na qual cada um conhecia exatamente a sua função.

Essa parceria se perdeu. Na escola, educadores saudosos de uma família idealizada, totalmente, muito diferente dos pais e mães reais que encontram diariamente. E nas casas, famílias insatisfeitas e desconfortáveis com os critérios utilizados para educar os seus filhos.

As searas são invadidas sem o menor constrangimento. A escola exercendo sua crítica sobre assuntos privados e de interesse exclusivo das famílias, e as famílias, por sua vez, querendo intervir nos rumos pedagógicos da escola. Assistimos aqui os papéis se diluindo, a mistura entre o público e o privado.

Nesse quadro, pergunta-se: como superar a crescente polarização entre as posições da escola e as das famílias, visando a estabelecer uma relação de apoio e de cooperação?

O primeiro movimento cabe à instituição escolar, que tem a responsabilidade de conduzir o processo de discernimento de papéis e de construção de vínculos de apoio recíproco entre famílias e escola. Ajudar os pais a perceberem e se reposicionarem diante das mudanças advindas a cada etapa de desenvolvimento dos seus filhos.

O desafio é superar a síndrome do cabo de guerra e colocar as famílias e a escola na mesma margem do rio. Ambas olhando para a mesma direção e cada uma, à sua maneira, ajudando as crianças e os adolescentes a realizarem da melhor forma possível a longa travessia para o mundo adulto.

Para explorar mais esse tema, te convidamos para a leitura da obra Escola, Família e Clínica: Uma Relação Tão Delicada