28/07/2022

UMA BREVE APRESENTAÇÃO DA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: O QUE É E COMO SE FAZ?

28/07/2023 - Nayara Fernanda Dornas autora de O Escravo em Cartas do Conde do Pinhal para sua Esposa: Um Estudo Semântico Enunciativo    

Com a evolução do ser humano, as disciplinas e o campo de estudo também evoluíram e se expandiram. Ao longo da história, muito conhecimento surgiu e proporcionou uma melhora na qualidade de vida do ser humano em todos os seus aspectos. No campo das Letras, a Linguística Saussuriana revolucionou os estudos sobre a língua e a linguagem, a ponto de este ser considerado por muitos como o pai da linguística moderna. O importante aqui é observar o salto que aconteceu após essa revolução e também analisar a difusão dos conhecimentos da língua e linguagem que ganharam maior espaço e status de ciências. Diante disso e do vasto campo das letras, destaca-se a Semântica do Acontecimento, disciplina relativamente nova, nascida no Brasil, que vem ganhando cada vez mais espaço nos estudos linguísticos, principalmente brasileiros.

 A Semântica do Acontecimento é um campo do saber desenvolvido pelos linguistas Eduardo Guimarães, da UNICAMP, e Luiz Francisco Dias, da UFMG. O olhar analítico dos linguistas conversa entre si na abordagem da significação e do sentido pelo viés da enunciação. A Semântica do acontecimento, portanto, é um mecanismo linguístico de estudo da língua em funcionamento, que elege a enunciação (ou acontecimento enunciativo) como pilar analítico, imensamente fundamental, e como unidade de análise, elege o enunciado que, para Guimarães (2007a), trata-se de uma “unidade do discurso”. Os estudos do autor são embasados principalmente em Emile Benveniste e Oswald Ducrot.

Para Guimarães (2005, p. 7) a “Semântica do Acontecimento considera que a análise do sentido da língua deve localizar-se no estudo da enunciação, do acontecimento do dizer”. A enunciação, por sua vez, é a ação de dizer, é a língua se movimentando, oscilando, mantendo-se em fluxo constante, entrando em interação no seio social e, com isso, constituindo as significações entre as inter-relações entre sujeitos. Ao tratar a língua por este viés, o autor concebe algumas noções que proporcionam a análise de dados e uma metodologia de trabalho que permite investigar e observar os sentidos e significações.

Ainda de acordo com Guimarães (no prelo) para se fazer semântica é necessário nos situarmos em um saber que considera que a linguagem fala de algo e o que é dito se constrói por meio da linguagem. Portanto, ao filiarmos à Semântica Enunciativa, somos levados a realizar um estudo que explore o sentido na linguagem pelas articulações das palavras no enunciado. Para isso, Dias (2020, p. 621) afirma que “quando estamos mostrando a significação da linguagem, estamos, ao mesmo tempo, mostrando como se constrói a história.”

Portanto, a Semântica do Acontecimento nos permite observar os pontos de vista que circulam os sentidos e significações várias que constituem a história. É uma área relevante que no Brasil é responsável por uma gama de trabalhos expressivos sobre o espaço enunciativo brasileiro e mundial. Para saber mais a respeito, leia o livro “O escravo em cartas do Conde do Pinhal para sua esposa Naninha: Um estudo semântico enunciativo”, que apresenta detalhadamente a disciplina e seus mecanismos metodológicos e analíticos.

 

REFERÊNCIAS

DIAS, L. F.  Enunciações e relações linguísticas. Campinas: Pontes, 2018.

GUIMARÃES, E. Sentido e Acontecimento – um Estudo do Nome Próprio de Pessoa. No prelo.

GUIMARÃES, E. Domínio Semântico de Determinação. In: MOLLICA, M. C.; GUIMARÃES, E. (org.). A Palavra: Forma e Sentido. Campinas: Pontes. 2007a. p. 77-96

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento. 2. ed. Campinas: Pontes, 2005.

GUIMARÃES, E. Semântica, enunciação e sentido. Campinas: Pontes, 2018.


Nayara Fernanda Dornas

Doutoranda e mestra em Linguística pela UFSCar; licenciada em Letras — Português/Inglês pela UEMG; especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da EaD pela UFF; especialista em Linguística e Formação de Leitores pela Faveni;  graduanda em Publicidade e Propaganda pela Unifran. Docente na Secretaria do Estado de Minas Gerais e no Colégio Presbiteriano de Piumhi — Sistema Mackenzie de Ensino. Orcid: 0000-0002-9884-4687