23/10/2019

Pecuária: Como manter o sistema de produção de pasto produtivo e contínuo?

Tags: BLOG

23/10/2019 - Por: Ricardo Loiola Edvan

 

A região denominada como Matopiba é uma fronteira agrícola com grande potencial de desenvolvimento agropecuário do Brasil que compreende parte do território dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Nessa região, onde é predominante o bioma Cerrado, a pecuária é bastante expressiva, tem fatia importante do mercado do agronegócio brasileiro e está em plena expansão. A pecuária nessa região tem como característica ser realizada predominantemente a pasto, como forma de minimizar os custos com a produção animal. Nesse cenário, conhecer e ter alternativas para realizar o manejo da pastagem de forma correta é importante para o desenvolvimento equilibrado da produção animal e para o aumento da segurança alimentar dos rebanhos durante o ano, por meio da utilização sustentável dos recursos do meio ambiente, em especial o solo.

Na pecuária do Cerrado brasileiro, sem dúvida o principal entrave são as degradações das áreas de pastagens, que dificultam o aumento da produção animal na região. Essa degradação tem vários motivos; entre eles estão a falta de reposição da fertilidade do solo, o manejo incorreto da pastagem e a escolha inadequada da planta forrageira.

Nessas pastagens, a prevalência é do cultivo de Brachiaria brizantha genótipo Marandu. Isso representa um grande risco para a pecuária da região, pois a homogeneidade das pastagens com uma única espécie pode ser um problema caso surjam pragas e/ou doenças. Uma alternativa seria aumentar a biodiversidade das pastagens, cultivando diferentes espécies forrageiras adaptadas às condições edafoclimáticas da região. Na região que está sendo desbravada com a pecuária no Matopiba, esses conceitos são de extrema importância para manter o níveis produtivos elevados na pecuária.

É importante ainda salientar que nessa região é imprescindível a conservação de forragem para o rebanho consumir alimento de qualidade na época seca do ano, que dependendo do ano pode ser prolongado por até seis meses. O pecuarista tem que planejar a conservação do alimento, objetivando o aumento da segurança alimentar do rebanho. Estratégias como a produção de silagem e feno são fundamentais para manter os animais ganhando peso durante todo o ano, e não somente no período chuvoso, porém as espécies que são cultivadas nas pastagens do Cerrado brasileiro, na sua maioria, pertencem aos gêneros Brachiaria e Panicum. As espécies forrageiras desses gêneros de gramíneas não são adequadas para se fazer feno e silagem, devido às suas características morfológicas e químicas. Porém os pecuaristas da região do Cerrado brasileiro estão preferindo produzir pré-secado com as gramíneas das pastagens; essa é uma técnica de conservação de forragem híbrida entre o feno e a silagem, não sendo considerada como feno por não atingir o teor de umidade de 10-20%, e não sendo considerada silagem pelo material não ser armazenado triturado, compactado e em silo. A produção do pré-secado com as espécies do pasto possibilitaria ao pecuarista utilizar o excedente produzido na pastagem na época das chuvas para ser armazenado, sem ser necessário o cultivo de outras áreas para produzir espécies forrageiras adequadas para fenação e ensilagem.

Outro fato importante relacionado à conservação de forragem para fornecimento de alimento de qualidade para os animais na época seca do ano é o fato de manter os animais confinados nesse período, preservando com isso a pastagem e mantendo o solo coberto para evitar degradação no início das chuvas. Uns dos principais motivos do aparecimento da degradação das pastagens no Cerrado brasileiro é o uso equivocado das pastagens no período seco do ano, fato que prejudica a planta forrageira e o solo, pois nesse período a planta está fragilizada devido à falta de água e o solo descoberto no início das chuvas favorece a sua degradação.

Dessa forma, podemos concluir que o manejo correto e a utilização de procedimentos simples na pastagem pode representar o sucesso dos empreendimentos da pecuária a pasto, sendo a utilização dos métodos conservacionistas muito importante para manter o sistema de produção de pasto produtivo e contínuo. Para saber mais sobre a utilização dos sistemas conservacionistas em pastagens, conheça a obra Sistemas conservacionistas de recuperação de pastagem degradada.


Ricardo Loiola Edvan é doutor em Zootecnia, mestre em Produção Animal, especialista em Agroecologia e graduado em Engenharia Agronômica. É professor da Universidade Federal do Piauí, atuando na área de Forragicultura e Pastagem. Professor de Programas de Pós-graduação em Zootecnia, também é bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 do CNPq.