Existe o Outro Lado do Rio? Um Debate Sobre Educação, Gênero e Engenharia

Ref: 978-85-473-0062-3

Em Existe o outro lado do rio? Silvana Maria Bitencourt analisa a cultura da engenharia e as relações de gênero construídas no espaço da universidade, buscando compreender as motivações, as influências, as dificuldades, as perspectivas e as táticas construídas pelas estudantes nesse campo de poder/saber eminentemente masculino: a engenharia.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 58,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 20,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-0062-3


ISBN Digital: 978-85-473-0062-3


Edição:


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 187


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Silvana Maria Bitencourt.

Em Existe o outro lado do rio? Silvana Maria Bitencourt analisa a cultura da engenharia e as relações de gênero construídas no espaço da universidade, buscando compreender as motivações, as influências, as dificuldades, as perspectivas e as táticas construídas pelas estudantes nesse campo de poder/saber eminentemente masculino: a engenharia. Em seu estudo, a autora evidencia como as escolas de engenharia têm sido um campo majoritariamente masculino e, em sua abordagem, destaca de que forma as poucas mulheres que participam dessa área são alvos de significativas desigualdades de gênero, que se apresentam tanto objetivamente – com a discreta presença feminina em cursos de engenharia e no mercado de trabalho – quanto subjetivamente – diante das difíceis condições que elas enfrentam para se formar e prosseguir em uma carreira na área tecnológica, levando em conta a construção cultural do ser mulher no ocidente.