Jornalismo e Emancipação: Uma Prática Jornalística Baseada em Paulo Freire

Ref: 978-85-473-0515-4

Esta obra propõe a ideia do jornalismo como ação cultural emancipatória, recuperando os conceitos de Paulo Freire para uma prática pedagógica libertadora.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 51,00 R$ 35,70 30% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 51,00 R$ 23,00 55% off

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-0515-4


ISBN Digital: 978-85-473-0515-4


Edição:


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 217


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Dennis de Oliveira.

Esta obra propõe a ideia do jornalismo como ação cultural emancipatória, recuperando os conceitos de Paulo Freire para uma prática pedagógica libertadora. O jornalismo emancipatório é uma proposta para superar a espetacularização midiática que colonizou a atividade jornalística, em que a verdade transfigurou-se para verossimilhança e a opinião para o opinionismo. Essas mudanças no jornalismo são produto de alterações na configuração da civilização capitalista, da qual o jornalismo é herdeiro, dentre as quais se destacam o esvaziamento da esfera pública política e a mudança das estratégias do capital, que passa a dispensar as intermediações da política para o exercício da sua hegemonia  – surge, assim, o que se chama de “ação direta do capital”, em que todas as dinâmicas societárias são guiadas pela lógica do mercado e do consumo. A superação desse processo dá-se por um projeto de emancipação coletiva, ou em comunhão, na perspectiva de Paulo Freire, Martin Baro e Oscar Jara, que apontam para transformação das relações sociais a partir do protagonismo dos setores oprimidos. O jornalismo emancipatório é, então, a reconstrução do discurso midiático a partir da perspectiva da superação das dinâmicas de opressão em todas as suas vertentes.