O Silêncio Incessante em Narrativas de Luiz Vilela

Ref: 978-85-473-0894-0

Carlos Drummond de Andrade, em seu poema “Diálogo incessante”, afirma que “Mesmo no silêncio e com o silêncio dialogamos”. Ao ler o livro de Yvonélio Nery Ferreira, com o qual conseguiu navegar pelas águas turvas do silêncio a partir da produção literária de Luiz Vilela, foi possível perceber o constante diálogo no e com o silêncio.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-0894-0


ISBN Digital: 978-65-5820-075-8


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 157


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Yvonélio Nery Ferreira.

Carlos Drummond de Andrade, em seu poema “Diálogo incessante”, afirma que “Mesmo no silêncio e com o silêncio dialogamos”. Ao ler o livro de Yvonélio Nery Ferreira, com o qual conseguiu navegar pelas águas turvas do silêncio a partir da produção literária de Luiz Vilela, foi possível perceber o constante diálogo no e com o silêncio.

Ler O silêncio incessante em narrativas de Luiz Vilela, além de ser uma oportunidade de viajar pelos ditos e não ditos do silêncio, também se constitui numa forma de conhecer a produção (contos, romances e novelas) e os dados relevantes da vida de Luiz Vilela, mesmo para aqueles que ainda não tiveram um contato mais íntimo com a narrativa do escritor mineiro. Isso só é possível porque Yvonélio conseguiu apreender a essência das criações literárias de Vilela, não apenas a partir daquilo que ecoa das palavras, mas também dos seus diversos silêncios. Assim, quem imagina que não há nada a dizer do silêncio será surpreendido pelos tantos silêncios detectados e expressos a partir das análises cativantes de Yvonélio, pois à medida que a leitura avança, o leitor, seguindo percursos dialógicos da modernidade, é apresentado ao silêncio amoroso, é levado a transitar entre o silêncio político e a política de silenciamento e, ademais, vai se emocionar com os silêncios da velhice, esses de que muitos falam, imbricados aos ecos da memória.

Prof.ª Dr.ª Vera Lúcia de Magalhães Bambirra

Universidade Federal do Acre