Trajetória de Mulheres Negras Ativistas

Ref: 978-85-473-0389-1

Este livro trata da organização de Mulheres Negras no interior paulista, nos seus mais diversos ativismos, cujo protagonismo permite considerá-las líderes e referência de gerações de negras e negros. Resistiram e organizaram-se para os enfrentamentos do cotidiano. Encontram barreiras que dificultam sua inserção social, mas que não as impediram de propor mudanças à população negra diante das desigualdades sociais.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 27,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-0389-1


ISBN Digital: 978-85-473-0389-1


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 193


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Maria Aparecida Silva.

Este livro trata da organização de Mulheres Negras no interior paulista, nos seus mais diversos ativismos, cujo protagonismo permite considerá-las líderes e referência de gerações de negras e negros. Resistiram e organizaram-se para os enfrentamentos do cotidiano. Encontram barreiras que dificultam sua inserção social, mas que não as impediram de propor mudanças à população negra diante das desigualdades sociais. As experiências dessas Mulheres Negras envolvidas com o movimento social negro, organizadoras de eventos para afrodescendentes e/ou frequentadoras de espaço de maioria afrodescendente, estão inseridas na história da população negra de Araraquara-SP, porque firmaram identidade, desconstruíram estereótipos, desafiaram a invisibilidade e romperam o silêncio diante do racismo e das discriminações. Daí a motivação fundamental para lembrar, registrar e incluí-las na história da população negra local e nacional.