Os Modos de Ser e de Fazer entre Trabalhadores: O Jogo Interacional e suas Relações Simbólicas

Ref: 978-85-473-0487-4

O que leva as pessoas a trilharem caminhos jamais imaginados? No fluxo da vida social, na constituição dos sujeitos, apresentam-se visíveis e invisíveis fatos da realidade que nos conduzem para o imaginável-idealizado ou para a concretude do vivido social. Como membros da sociedade, nós dialogamos uns com os outros e sobre nós mesmos. E, para pensarmos, usamos as categorias institucionalizadas de que dispomos em nossa vida cotidiana.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0487-4


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 289


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 20 cm


1. Alice Dias Paulino.

O que leva as pessoas a trilharem caminhos jamais imaginados? No fluxo da vida social, na constituição dos sujeitos, apresentam-se visíveis e invisíveis fatos da realidade que nos conduzem para o imaginável-idealizado ou para a concretude do vivido social. Como membros da sociedade, nós dialogamos uns com os outros e sobre nós mesmos. E, para pensarmos, usamos as categorias institucionalizadas de que dispomos em nossa vida cotidiana. O social coletivo exerce pressões classificatórias. Enquanto indivíduos, temos motivos para nos contrapor e resistir. Mas nem sempre o momento, o espaço, o lugar ou o tempo conjugam-se harmoniosamente em nossas experiências de vida. As instituições promovem padrões e ocultas classificações para direcionar o sistema relacional e as atitudes morais- -sociais. No mundo contemporâneo, o trabalho ainda permanece com a divisão elaborada a partir do corpo, numa relação analógica da cabeça com a mão; uma analogia ainda usada para justificar a estrutura de classes, as desigualdades do sistema educacional e a divisão do trabalho-trabalhador. Esta obra relata as observações percebidas e registradas nas práticas de um grupo de trabalhadores em condição liminar: a produção das identidades e a constituição das relações simbólicas como força integradora do homem ao seu meio social. A etnometodologia aproximou-nos dessas práticas cotidianas e dos sentidos que são dados para os acontecimentos. As reflexões sustentam-se pela premissa de que os fenômenos psicológicos e sociais estão interligados por meio dos encontros transformadores; são construídos nas vivências entre o sujeito singular (psicológico) e o sujeito social (sociológico). Revisitando a antropologia, a psicologia social e a sociologia, esse diálogo teórico de análise social descreve a experiência humana em mundos sociais particulares. Os modos de ser e de fazer contêm o movimento da dinâmica interacional e o processo das identificações e da construção das identidades pessoais, profissionais e sociais. Vamos descobrir e compreender juntos o processo responsável por articular o sujeito ao seu mundo social – fundante e constituidor da identificação essencial para a existência humana. Mundos sociais e psicológicos constituem nossa psique individual; eles são e estão entrelaçados.