Cotas Raciais e o Discurso da Mídia: Um Estudo sobre a Construção do Dissenso

Ref: 978-85-473-1438-5

Formadora de opinião por excelência, a mídia tradicional se distancia do compromisso com a pluralidade e a diversidade social, embora diga o contrário. A construção do dissenso em torno das ações afirmativas exemplifica a escolha por uma sociedade branca, de privilégios.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 21,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1438-5


ISBN Digital: 978-85-473-1439-2


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 19/06/2018


Número de páginas: 177


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Zilda Martins.

Formadora de opinião por excelência, a mídia tradicional se distancia do compromisso com a pluralidade e a diversidade social, embora diga o contrário. A construção do dissenso em torno das ações afirmativas exemplifica a escolha por uma sociedade branca, de privilégios. Essa atitude nos faz questionar por que a “raça” é a um só tempo negada para a implantação de políticas públicas – vigor da mobilidade social – e confirmada para as manchetes de violência e de estereótipo? Por que o não incisivo às cotas raciais? Como os atores sociais (jornalistas e não jornalistas) participam da elaboração do discurso das cotas? Por que insistem em manter o status quo? São a partir destes e de outros questionamentos que buscamos compreender as fronteiras simbólicas estabelecidas entre o racial e o social.

“Daí o grande interesse de pesquisas como esta, de Zilda Martins, sobre os embates em torno das ações afirmativas e das cotas raciais no Brasil. Trata-se de uma ‘pesquisa-ação’ que ao mesmo tempo investiga e toma partido nesta luta civil por novos posicionamentos sociais dos afrodescendentes.” (Muniz Sodré).