Sociabilidade e Subjetividade de Professores de Inglês na Contemporaneidade

Ref: 978-85-473-1406-4

Sociabilidade e subjetividade de professores de Inglês na contemporaneidade lança um olhar sobre a relação entre as chamadas novas tecnologias e a subjetividade de professores de Inglês na contemporaneidade, de modo a entender a maneira como esses professores constituem-se como sujeitos (pós-)modernos, por meio de relações mediadas pela e na máquina.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 25,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1406-4


ISBN Digital: 978-85-473-1742-3


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 29/06/2018


Número de páginas: 181


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Ana Claudia Cunha Salum.

Sociabilidade e subjetividade de professores de Inglês na contemporaneidade lança um olhar sobre a relação entre as chamadas novas tecnologias e a subjetividade de professores de Inglês na contemporaneidade, de modo a entender a maneira como esses professores constituem-se como sujeitos (pós-)modernos, por meio de relações mediadas pela e na máquina. A autora parte da hipótese de que as redes virtuais constituem instrumentos de controle e dispositivos de individuação que remetem os professores participantes a assumirem determinadas posições-sujeito no ambiente virtual e no discurso didático-pedagógico. Na obra, são apresentados recortes discursivos que compõem fóruns de discussão de comunidades de professores de Inglês de sites de relacionamento virtual. A autora, na análise desses recortes, leva em consideração o sujeito e o sentido em constante produção e deslocamento, e, portanto, os processos de construção de sentido foram considerados a partir das relações entre o linguístico, o social e o histórico. Com um tema atual e uma linguagem dinâmica, este texto torna-se de grande interesse a todos que se dedicam a refletir sobre “novas” formas de sociabilidade em uma época em que a comunicação mediada pela máquina não se constitui um mero lazer ou uma mera opção de interação e de comunicação, mas uma demanda afinada com o espírito da (pós-)modernidade.