Saber, Poder e Resistência em Discursos Sobre o Professor no Brasil

Ref: 978-85-473-1283-1

O livro Saber, poder e resistência em discursos sobre o professor no Brasil lança um olhar sobre a rede de enunciados a que estão submetidos os discursos sobre o professor no Brasil, em função de jogos de saber/poder e dos feixes de relações resultantes dos atravessamentos vários e das marcações históricas que constituem a materialidade dos enunciados. A partir de ferramentas extraídas da arquegenealogia foucaultiana, a autora propõe uma reflexão acerca dos saberes que comparecem na base dos mecanismos discursivos que objetivam e subjetivam o sujeito/profissional professor.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 57,00 R$ 34,20 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 57,00 R$ 26,00 55% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1283-1


ISBN Digital: 978-85-473-1284-8


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 30/07/2018


Número de páginas: 211


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Odália Bispo de Souza e Silva.

O livro Saber, poder e resistência em discursos sobre o professor no Brasil lança um olhar sobre a rede de enunciados a que estão submetidos os discursos sobre o professor no Brasil, em função de jogos de saber/poder e dos feixes de relações resultantes dos atravessamentos vários e das marcações históricas que constituem a materialidade dos enunciados. A partir de ferramentas extraídas da arquegenealogia foucaultiana, a autora propõe uma reflexão acerca dos saberes que comparecem na base dos mecanismos discursivos que objetivam e subjetivam o sujeito/profissional professor. Conceitos como arquivo, memória, descontinuidade, regularidade enunciativa, saber, poder, objetivação, subjetivação, poder pastoral e resistência fundamentam teórico-metodologicamente o tratamento dispensado a discursos que promovem algum tipo de categorização para o professor. A partir de um vasto arquivo, procurando enfatizar o entrecruzamento de saberes e práticas que sustentam a compreensão do que deve constituir-se como requisito precípuo de sua atividade laboral e, em circunstâncias diversas, do seu modo de ser, os dados são sistematizados em duas categorias: a conduta ético-política do professor e sua profissionalização. A problematização desses enunciados possibilita a compreensão de que, muitas vezes, há uma anuência quase generalizada de que o professor é desvalorizado e que por isso é necessário partir em sua defesa. Além disso, a autora aponta, a partir dos dados coletados, para a emergência de um espaço de resistência, o qual é concebido como indício de que há uma escapatória a ponto de serem negadas certas formas de objetivação. Ao se subjetivar, não raramente, o professor contesta o lugar que o toma como o bom pastor, como o exemplo a ser seguido e, por isso mesmo, profere enunciados e adota posturas diversas que fogem às expectativas que existem em torno dele, podendo, inclusive, culminar no que pode ser considerado o ponto máximo de sua capacidade de “pular a janela”, a saber, no abandono da profissão. Por seu caráter dialético e provocador, esta leitura caracteriza-se como uma importante oportunidade de reflexão para aqueles que se interessam pelas nuances que permeiam os enunciados que objetivam/subjetivam o professor.