Sou Surdo e Gosto de Música: A Musicalidade da Pessoa Surda na Perspectiva Histórico-Cultural

Ref: 978-85-473-2290-8

Desde quando a pessoa surda se relaciona com o mundo sonoro? Elas vivenciam a musicalidade? Bem, essas são perguntas comuns e frequentes para quem não teve acesso a este texto, ao finalizar a leitura, você entenderá como tudo isso se torna possível.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-2290-8


ISBN Digital: 978-85-473-2496-4


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 06/11/2018


Número de páginas: 141


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Tatiane Ribeiro Morais de Paula.

2. .

Desde quando a pessoa surda se relaciona com o mundo sonoro?

Elas vivenciam a musicalidade?

Bem, essas são perguntas comuns e frequentes para quem não teve acesso a este texto, ao finalizar a leitura, você entenderá como tudo isso se torna possível.

A experiência musical, para nós, acontece antes do nascimento, a partir das percepções ainda no útero materno. Elas são sentidas em nossa pele. O som do movimento do corpo é vivenciado de diversas formas e tudo isso faz parte do desenvolvimento da nossa musicalidade, isto é, da criação, da expressão e da interpretação musical do nosso ser. Assim, entendemos que a vivência da musicalidade acontece de modo multissensorial na unidade do funcionamento do organismo.

Como base teórica para compreendermos a relação da pessoa surda com o mundo sonoro, nos apropriamos da teoria histórico-cultural de Vigotski. Ela nos permite perceber o indivíduo como ser de possibilidades, em que a pessoa surda apresenta um defeito biológico, mas só é vista como uma pessoa com deficiência em sua relação na sociedade.

Este é um texto necessário para os corações e para as mentes de todo educador e educadora que tem a possibilidade de viver com a dessemelhança do outro, com sua singularidade, pois clarifica o entendimento de que a diferença entre os sujeitos educativos se situa no campo da diversidade de desenvolvimento humano.