Governança, Riscos Socioambientais e Educação das Águas

Ref: 978-85-473-2434-6

Este livro navega na esperança da governança, ou uma associação frutífera entre os dois polos. A degradação vertiginosa das águas e o estado calamitoso e de carência em que elas se encontram, em muitos contextos, enchem-nos de profunda indignação. No mais, não somos vítimas de uma falta de recursos ou de capacidade técnica, mas, sim, da “ausência de humanidade”. Ou ainda: “o ser humano está se desumanizando em sua prática de ser humano”, isso porque vigoram relações injustas dos seres humanos para com os bens da natureza.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 27,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2434-6


ISBN Digital: 978-85-473-2434-6


Edição: 1


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 14/12/2018


Número de páginas: 195


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Aloísio Ruscheinsky.

2. Rosmarie Reinehr.

Este livro navega na esperança da governança, ou uma associação frutífera entre os dois polos. A degradação vertiginosa das águas e o estado calamitoso e de carência em que elas se encontram, em muitos contextos, enchem-nos de profunda indignação. No mais, não somos vítimas de uma falta de recursos ou de capacidade técnica, mas, sim, da “ausência de humanidade”. Ou ainda: “o ser humano está se desumanizando em sua prática de ser humano”, isso porque vigoram relações injustas dos seres humanos para com os bens da natureza.

Um turbilhão de ideias ancoradas numa trilogia, por meio da qual nos aproximamos da formulação de um conceito de justiça socioambiental, que vem à mente no título provocador do livro: Governança, riscos socioambientais e educação das águas. Existe, a rigor, uma relação íntima entre os três níveis dessa “trilogia”, que expressa uma tríplice complexidade de injustiça, de esperança e de possibilidades de mudança. Em abril de 2011 a ONU adotou uma resolução sobre a água como um direito humano, com o que estamos de pleno acordo, e contra a privatização.