Candomblé sem Sangue? Pensamento Ecológico Contemporâneo e Transformações Rituais nas Religiões Afro-Brasileiras

Ref: 978-85-473-2854-2

O livro Candomblé sem sangue? Pensamento ecológico contemporâneo e transformações rituais nas religiões afro-brasileiras é uma reflexão resultante de anos de pesquisas e vivências religiosas.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 24,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-2854-2


ISBN Digital: 978-65-5523-970-6


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 26/02/2019


Número de páginas: 235


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Patrício Carneiro Araújo.

O livro Candomblé sem sangue? Pensamento ecológico contemporâneo e transformações rituais nas religiões afro-brasileiras é uma reflexão resultante de anos de pesquisas e vivências religiosas. Nele, o autor convida o leitor a compreender melhor alguns dos fatores exógenos e endógenos que têm influenciado o candomblé, a ponto de algumas lideranças religiosas começarem a revisar suas práticas rituais. Ao abordar o uso de folhas e de sangue nos rituais iniciáticos, o autor trata de uma guerra estabelecida entre Ossaim (divindade dos vegetais) e Exú (divindade do movimento, comunicação e dinâmica), guerra essa que envolve disputas por precedência nos ritos e centralidade nas explicações teológicas da religião. O modelo de candomblé que aboliu o sacrifício de animais, assumido no Brasil pela Dobana Boressa Mãe Solange Buonocore, no ano de 2017, tem suas raízes mais profundas na figura emblemática do babalaô Agenor Miranda Rocha, passando por Alawowô Messecan Meyé Phurull (Dagoberto Isaac Cordero) e chegando, enfim, à Dobana Boressa. Neste livro o autor apresenta a configuração desse culto, em momentos imediatamente posteriores à sua chegada no país. O autor também analisa as influências da ecoteologia católico-franciscana sobre novas modalidades de práticas afro-religiosas contemporâneas, além de apresentar um novo culto, recentemente chegado ao Brasil: o culto Yezan. Ao se combinar com o modelo de candomblé que não mais utiliza sacrifício de animais, o culto Yezan parece representar um novo desafio para as tradições afro-religiosas, ao mesmo tempo que se apresenta como mais uma alternativa religiosa nas metrópoles brasileiras.