São Paulo e Seus Documentos Interessantes: Representações e Patrimonialização da História Paulista

Ref: 978-85-5507-704-3

Deste o séc. XIX os arquivos vêm se consolidando, pelo menos no imaginário popular, como verdadeiros celeiros da história. No entanto, cabe ao pesquisador munir-se de um repertório cada vez mais eficiente para lidar com esses acervos, especialmente no que diz respeito ao caráter de representação, expresso tanto em sua constituição quanto na disponibilização de seu material ao público. Assim, a intenção desse trabalho é mostrar como o Arquivo Público do Estado de São Paulo responsabilizou-se por estabelecer uma determinada imagem do passado paulista especialmente por meio de uma de suas publicações: os Documentos interessantes para a história e costumes de São Paulo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 54,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-5507-704-3


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 31/05/2019


Número de páginas: 266


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Andre Oliva Teixeira Mendes.

Deste o séc. XIX os arquivos vêm se consolidando, pelo menos no imaginário popular, como verdadeiros celeiros da história. No entanto, cabe ao pesquisador munir-se de um repertório cada vez mais eficiente para lidar com esses acervos, especialmente no que diz respeito ao caráter de representação, expresso tanto em sua constituição quanto na disponibilização de seu material ao público. Assim, a intenção desse trabalho é mostrar como o Arquivo Público do Estado de São Paulo responsabilizou-se por estabelecer uma determinada imagem do passado paulista especialmente por meio de uma de suas publicações: os Documentos interessantes para a história e costumes de São Paulo.
Criado como um órgão ligado diretamente ao poder público paulista, a Repartição de Estatística e Arquivo (1892) incumbiu-se de recolher, selecionar, transcrever e disponibilizar um repertório significativo de documentos acerca do passado administrativo de São Paulo, vinculando-se com outras instituições, como o IHGSP (Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo) e o Museu Paulista, responsáveis por construir uma representação elitista do pioneirismo bandeirante, fosse por meio das análises documentais realizadas, fosse pelo estabelecimento de critérios para a seleção, descarte e disponibilização de documentos de seu acervo.
Se essa representação conservadora sobre a formação de São Paulo contou com a participação da Repartição de Arquivo por meio de seus Documentos Interessantes, esse livro demonstra que tal representação atuou sobre a própria Repartição e seu papel diante da sociedade civil.