O Pensamento Hegeliano e os Direitos Humanos

Ref: 978-85-473-3594-6

Estado hegeliano é um Estado racional e real. Ele é tudo. Ele é um ser divino terrestre. Diante dessas premissas, muitos autores creditaram ao Hegel a responsabilidade pela existência de Estados totalitários, sendo um deles o Estado nazista. É sabido que o sistema filosófico hegeliano influenciou fortemente a vida política moderna. Duas Escolas, direita e esquerda, apropriaram-se desse sistema e lhe deram interpretações, que se apresentaram diferentes e incompatíveis com os princípios fundamentais da Teoria do Estado hegeliana. Assim, o Estado nazista apoderou-se das interpretações da extrema direita hegeliana. Diante da concepção de que o Estado tudo pode, deflagrou uma guerra com o propósito de tornar a Alemanha o país mais poderoso do mundo a qualquer custo. As ações políticas desenvolvidas por esse Estado nazista não são reconhecidas pelo sistema filosófico de Hegel, haja vista tal Estado ocupar-se com a eliminação do ser humano, agredindo os direitos humanos. Essa prática é abominada por Hegel, que desenvolveu a política do reconhecimento do outro, tema de profunda importância para os direitos humanos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3594-6


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 12/09/2019


Número de páginas: 137


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Luciene Francisca de Souza Jesus.

Estado hegeliano é um Estado racional e real. Ele é tudo. Ele é um ser divino terrestre. Diante dessas premissas, muitos autores creditaram ao Hegel a responsabilidade pela existência de Estados totalitários, sendo um deles o Estado nazista. É sabido que o sistema filosófico hegeliano influenciou fortemente a vida política moderna. Duas Escolas, direita e esquerda, apropriaram-se desse sistema e lhe deram interpretações, que se apresentaram diferentes e incompatíveis com os princípios fundamentais da Teoria do Estado hegeliana. Assim, o Estado nazista apoderou-se das interpretações da extrema direita hegeliana. Diante da concepção de que o Estado tudo pode, deflagrou uma guerra com o propósito de tornar a Alemanha o país mais poderoso do mundo a qualquer custo. As ações políticas desenvolvidas por esse Estado nazista não são reconhecidas pelo sistema filosófico de Hegel, haja vista tal Estado ocupar-se com a eliminação do ser humano, agredindo os direitos humanos. Essa prática é abominada por Hegel, que desenvolveu a política do reconhecimento do outro, tema de profunda importância para os direitos humanos.