A Economia das Paixões: Literatura, Erotismo e Gratuidade em Georges Bataille

Ref: 978-85-473-2198-7

A economia das paixões visa abordar a relação entre literatura e desencadeamento das paixões, recompondo a crítica empreendida por Georges Bataille contra o Aproveitada utilmente. Se precisamos mudar o mundo, se temos alguma razão para agir, é preciso que a comuniquemos o menos literariamente possível. A aposta batailliana é diferente do engajamento existencialista francês, encabeçado por Jean-Paul Sartre. A literatura é o espaço vazio (abertura total) no qual se prolonga o silêncio (ausência de significação) das palavras; é espaço de transgressão da linguagem enquanto significação, enquanto linguagem discursiva. Se a linguagem surge para fundar a civilização e os interditos, quer dizer, surge como veículo pelo qual os homens comunicam-se em prol de assegurar a vida e manter o bem comum, a atividade literária vem para usar perversamente a linguagem.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 18,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-2198-7


ISBN Digital: 978-85-473-2179-6


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 11/09/2019


Número de páginas: 169


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Anderson Barbosa Camilo.

A economia das paixões visa abordar a relação entre literatura e desencadeamento das paixões, recompondo a crítica empreendida por Georges Bataille contra o Aproveitada utilmente. Se precisamos mudar o mundo, se temos alguma razão para agir, é preciso que a comuniquemos o menos literariamente possível. A aposta batailliana é diferente do engajamento existencialista francês, encabeçado por Jean-Paul Sartre. A literatura é o espaço vazio (abertura total) no qual se prolonga o silêncio (ausência de significação) das palavras; é espaço de transgressão da linguagem enquanto significação, enquanto linguagem discursiva. Se a linguagem surge para fundar a civilização e os interditos, quer dizer, surge como veículo pelo qual os homens comunicam-se em prol de assegurar a vida e manter o bem comum, a atividade literária vem para usar perversamente a linguagem.
Como a literatura poderia fundar uma organização social? O âmbito das paixões, ao qual a literatura apela, pode colocar em risco a ordenação racional das práticas sociais. A literatura é desencadeamento das paixões, conforme Bataille: somos generosos na medida em que nos devotamos à literatura. Na literatura nos surpreendemos, entristecemos, choramos de alegria. Sentimos asco de Gregor Samsa quando mexe suas patinhas e sente calafrios, mas sentimos imensa compaixão quando uma maçã é cravada em seu casco, levando-o, vagarosamente, à morte. Sentimos frio na barriga de tanta ansiedade quando Raskólnikov está prestes a cometer seu crime. Emprestamos nossa sensibilidade aos personagens literários, por vezes nos confundimos com eles. Na literatura matamos e somos mortos, deliciamo-nos e temos a audácia de nos comprazermos com assassinatos, roubos, traição, intrigas. A literatura é o Mal, nela temos a proximidade com Édipo, o transgressor da lei.