Vozes das Américas: Encontro das Culturas Europeia, Africana e Indígena nas Canções de Câmara de Heitor Villa-Lobos e Aaron Copland

Ref: 978-85-5507-444-8

O gênero canção de câmara ou erudita – art song em inglês – pode ser definido como a versão musical de um poema lírico para voz, com acompanhamento de piano e/ou outros instrumentos. O repertório de canções eruditas dos dois países onde a autora tem raízes, os Estados Unidos, onde nasceu, e o Brasil, seu país de adoção, sempre teve destacada presença em sua atividade profissional de recitalista e professora de canto. Este livro reflete isto. O livro inicia com um breve histórico do desenvolvimento da canção erudita nos EUA e no Brasil, destacando que somente no século XX compositores das Américas começaram a romper com as normas europeias eruditas e buscar inspiração em suas raízes, para encontrar uma voz verdadeiramente nacional. Isto se reflete na obra vocal de dois expoentes máximos da canção de câmara brasileira e norte-americana, Heitor Villa-Lobos (1887-1959) e Aaron Copland (1900-1990), que são o objeto principal do livro.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 56,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-5507-444-8


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 02/10/2019


Número de páginas: 321


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Carol McDavit.

O gênero canção de câmara ou erudita – art song em inglês – pode ser definido como a versão musical de um poema lírico para voz, com acompanhamento de piano e/ou outros instrumentos. O repertório de canções eruditas dos dois países onde a autora tem raízes, os Estados Unidos, onde nasceu, e o Brasil, seu país de adoção, sempre teve destacada presença em sua atividade profissional de recitalista e professora de canto. Este livro reflete isto. O livro inicia com um breve histórico do desenvolvimento da canção erudita nos EUA e no Brasil, destacando que somente no século XX compositores das Américas começaram a romper com as normas europeias eruditas e buscar inspiração em suas raízes, para encontrar uma voz verdadeiramente nacional. Isto se reflete na obra vocal de dois expoentes máximos da canção de câmara brasileira e norte-americana, Heitor Villa-Lobos (1887-1959) e Aaron Copland (1900-1990), que são o objeto principal do livro.

A visão nacionalista de Villa-Lobos Heitor, o maior compositor brasileiro e um dos mais importantes do século XX das Américas, alcança momentos superlativos nas Modinhas e Canções, que incluem melodias inteiras de cantigas de roda, canções de escravos, e de folclore, e algumas canções originais, inspiradas nos estilos antigos de modinha e lundu.

Aaron Copland foi um destacado representante da voz verdadeiramente norte-americana. Por ter vivido quase o século XX inteiro, Copland foi influenciado por todas as tendências na música ocidental erudita deste período e criou obras inovadoras, incorporando formas populares – como jazz e folclore – de maneira única. As Old American Songs são adaptações de hinos e canções minstrel e populares, que retêm a espontaneidade original das melodias folclóricas.

O livro oferece uma análise comparativa e interpretativa das Modinhas e Canções e das Old American Songs, tomadas como paradigmas da obra vocal de Villa-Lobos e Copland e que apresentam diversas características em comum: são representativas de dois destacados compositores do Brasil e dos EUA; são do período nacionalista dos anos 1930 a 50 do século XX e baseadas ou inspiradas pela canção folclórica ou popular; foram compostas para voz solo e piano; e abrangem uma ampla gama de exigências técnicas musicais e vocais, que as tornam accessíveis ao cantor em diferentes estágios de sua formação.

A autora oferece sugestões para a interpretação dessas obras, que podem ser aplicadas ao estudo de outras canções do variado e inspirado repertório vocal brasileiro e norte-americano. Para o cantor não americano, as Old American Songs abrem uma janela para o estilo vocal americano e oferecem um belo exemplo do uso sensível do idioma inglês americano.

Existe pouquíssimo material sobre como cantar em português brasileiro e absolutamente nada no que diz respeito ao inglês americano para o cantor brasileiro. No apêndice, estão apontados os desafios principais da dicção lírica nesses idiomas e sugeridas diretrizes para o estudo dos respectivos repertórios vocais, destacando particularidades de sotaques e regionalismos. Para facilitar este estudo, estão incluídos nos anexos, os textos das Modinhas e Canções e Old American Songs, com transcrições em símbolos do IPA, e traduções literais e poéticas das canções de Copland.