Heranças Educativas do Analfabetismo de Mulheres

Ref: 978-85-473-3042-2

A obra Heranças educativas do analfabetismo de mulheres tematiza uma questão pouco lembrada ou não atrelada quando se trata do analfabetismo. Os estudos sobre o analfabetismo abordam-no como uma questão do sujeito que possui essa condição, como uma aquisição sua, mas não tratam da transmissão ou das implicações intergeracionais, do antes e do depois do vivido pelo analfabeto que possui significado importante que precisa ser compreendido no todo da história das pessoas, dos grupos, das famílias, das comunidades. E esse aspecto é algo relevante trazido pelas pesquisadoras que merece ser enaltecido, pois valoriza ainda mais o trabalho por elas realizado. Ao leitor fica o convite e o desafio de adentrar no texto e encontrar outros e possíveis sentidos e perspectivas que a riqueza da obra oferece e que meu olhar e horizonte não me permitiram ver, porque afinal eu o fiz de onde meus pés pisam e até onde meus olhos podem ver no momento. Boa leitura!


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3042-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 06/01/2020


Número de páginas: 159


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Marileia Gollo de Moraes.

2. Maria Simone Vione Schwengber.

A obra Heranças educativas do analfabetismo de mulheres tematiza uma questão pouco lembrada ou não atrelada quando se trata do analfabetismo. Os estudos sobre o analfabetismo abordam-no como uma questão do sujeito que possui essa condição, como uma aquisição sua, mas não tratam da transmissão ou das implicações intergeracionais, do antes e do depois do vivido pelo analfabeto que possui significado importante que precisa ser compreendido no todo da história das pessoas, dos grupos, das famílias, das comunidades. E esse aspecto é algo relevante trazido pelas pesquisadoras que merece ser enaltecido, pois valoriza ainda mais o trabalho por elas realizado. Ao leitor fica o convite e o desafio de adentrar no texto e encontrar outros e possíveis sentidos e perspectivas que a riqueza da obra oferece e que meu olhar e horizonte não me permitiram ver, porque afinal eu o fiz de onde meus pés pisam e até onde meus olhos podem ver no momento. Boa leitura!