Escrever História e Cultivar a Memória Cristã: Sobre a Cristianização da Península Ibérica nos Séculos V e VI

Ref: 978-85-473-4179-4

Em 387, Prisciliano de Ávila era condenado à morte na cidade de Tréveris, por ordem do Imperador Máximo. Acusado de ser praticante de magia, gnóstico e maniqueu, após sua morte o priscilianismo invadiria o Noroeste da Península Ibérica, chamado, então, de Gallaecia.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 80,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-4179-4


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 17/01/2020


Número de páginas: 281


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Rossana Pinheiro-Jones.

Em 387, Prisciliano de Ávila era condenado à morte na cidade de Tréveris, por ordem do Imperador Máximo. Acusado de ser praticante de magia, gnóstico e maniqueu, após sua morte o priscilianismo invadiria o Noroeste da Península Ibérica, chamado, então, de Gallaecia.

Em 550, Martinho, monge proveniente do Oriente, dos arredores de Roma ou, talvez, da Gália, desembarcaria em Braga juntamente às relíquias de Martinho de Tours para limpar o coração do reino dos suevos da mácula de outra heresia: o arianismo. Escrever História e cultivar a memória cristã: sobre a cristianização da Península Ibérica nos séculos V e VI discute esses eventos cruciais na história da região que seria considerada a mais católica de Portugal.

Em suas páginas, pode-se descobrir como, por meio da escrita da História, vinculou-se a identidade da Gallaecia a um homem condenado como herege e cuja memória era celebrada como mártir após sua condenação. A história da Península Ibérica, tal qual legada por seus historiadores e bispos mais ilustres, desperta interesse quando vista à luz de conexões estabelecidas com um espaço geográfico mais amplo, sustentadas pelas redes eclesiásticas nas quais esses homens se inseriram.

Esperamos ter contribuído para o conhecimento que se tem sobre a história da cristianização da Península Ibérica e do lugar que nela ocuparam Martinho de Braga, Idácio de Chaves, Paulo Orósio e Prisciliano.