Reconsiderações sobre a Assinatura Imagética da Primeira Escola de Enfermagem do Brasil

Ref: 978-85-473-4140-4

Este livro resultou da pesquisa de natureza histórico-semiótica sobre a trajetória da Escola de Enfermagem Alfredo Pinto, baseada na leitura semiótica de 28 imagens fotográficas, recolhidas ao Arquivo Setorial Maria de Castro Pamphiro, que colocaram em diálogo, por meio de análise e descrição, autores como Pierre Bourdieu, explorando conceitos sobre violência simbólica, campo ou espaço social, capital econômico, cultural e social que denominou de capital simbólico; Crane e Roche, que trataram de indumentária e símbolos objetais; Perrot, versando sobre direito, memória e profissionalização de mulheres; Guglielmi, tratando do gestual; Le Goff, permitindo reexaminar a história, além de outros autores.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-4140-4


ISBN Digital: 978-85-473-4141-1


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 23/01/2020


Número de páginas: 233


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Sonia Kaminitz.

2. Fernando Porto.

Este livro resultou da pesquisa de natureza histórico-semiótica sobre a trajetória da Escola de Enfermagem Alfredo Pinto, baseada na leitura semiótica de 28 imagens fotográficas, recolhidas ao Arquivo Setorial Maria de Castro Pamphiro, que colocaram em diálogo, por meio de análise e descrição, autores como Pierre Bourdieu, explorando conceitos sobre violência simbólica, campo ou espaço social, capital econômico, cultural e social que denominou de capital simbólico; Crane e Roche, que trataram de indumentária e símbolos objetais; Perrot, versando sobre direito, memória e profissionalização de mulheres; Guglielmi, tratando do gestual; Le Goff, permitindo reexaminar a história, além de outros autores. O entendimento sobre Cultura Visual permitiu tratar as imagens como evidência histórica diante do olhar semioticamente alfabetizado do autor. A ideia central foi imprimir a identidade da escola por meio de sua assinatura com base nas imagens fotográficas capturadas no período de gestão da primeira diretora enfermeira (1943-1956) com a possibilidade de comprovar a potencialidade dessa instituição de ensino, que perpassou os séculos XIX e XX, chegando ao XXI, transmitindo ensinamentos e entender sua secularidade na formação, pesquisa e impacto na enfermagem.