Homens de Aço? Os Super-Heróis como Tutores de Resiliência

Ref: 978-65-5523-153-3

Desde o surgimento das histórias em quadrinhos, os enredos com super-heróis são focados no espírito comunitário, confiança mútua, força e coragem, temas inspiradores para as áreas da Educação e Saúde.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00 R$ 29,40 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 49,00 R$ 22,00 56% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5523-153-3


ISBN Digital: 978-65-5523-154-0


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 08/05/2020


Número de páginas: 159


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Gelson Vanderlei Weschenfelder.

Desde o surgimento das histórias em quadrinhos, os enredos com super-heróis são focados no espírito comunitário, confiança mútua, força e coragem, temas inspiradores para as áreas da Educação e Saúde. Entretanto pouco se sabe acerca do impacto das imagens dos super-heróis como recurso pedagógico e promotor de expressões de resiliência. Esta pesquisa teve como objetivo investigar as imagens dos super-heróis como recursos para a promoção de resiliência em crianças e adolescentes em situações de risco em ambientes educativos. Um dos resultados indicou que a maioria dos personagens fictícios viveu situações de risco como orfandade, abandono e abuso antes da fase de empoderamento. O estudo analisou relações entre adversidades da vida real de crianças desfavorecidas psicossocialmente e as adversidades da vida ficcional de personagens super-heroicos, em suas fases pré-superpotência (Pré-Capa/Pré-Máscara). A partir desses dados foi desenvolvido o objetivo de criar, executar e avaliar o impacto de uma intervenção positiva, apresentando como tema norteador o super-herói na fase Pré-Capa/Pré-Máscara. A intervenção foi realizada em uma escola pública, tendo como participantes adolescentes das séries finais do ensino fundamental. Os resultados obtidos revelaram que os participantes compreenderam e abstraíram os conceitos de risco, adversidade e ponto de virada. Isso lhes possibilitou discutir suas dificuldades cotidianas e buscar novas propostas de enfrentamento. Além disso, o grupo pesquisado evidenciou o entendimento de que o heroísmo não está atrelado apenas aos superpoderes, mas também a questões mais complexas, tais como: práticas relacionais de cuidado, bons tratos e reciprocidade com equilíbrio de poder. Ressalta-se a importância da condução dos encontros interventivos por um profissional preparado para realizar ações planejadas e testadas previamente.