Vampiros na França Moderna: A Polêmica sobre os Mortos-Vivos (1659-1751)

Ref: 978-65-86034-75-2

O presente livro tem como tema a produção filosófica sobre os mortos-vivos entre meados do século XVII e meados do século XVIII. As fontes selecionadas tratam não somente dos relatos de ataques de vampiros provindos dos Bálcãs, mas também apresentam algum tipo de explicação para o fenômeno. São elas uma carta, um artigo e três dissertações.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-86034-75-2


ISBN Digital: 978-65-86034-76-9


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 19/05/2020


Número de páginas: 213


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Gabriel Elysio Maia Braga.

O presente livro tem como tema a produção filosófica sobre os mortos-vivos entre meados do século XVII e meados do século XVIII. As fontes selecionadas tratam não somente dos relatos de ataques de vampiros provindos dos Bálcãs, mas também apresentam algum tipo de explicação para o fenômeno. São elas uma carta, um artigo e três dissertações. A primeira, de autoria de Pierre des Noyers, secretário da rainha da Polônia, data de 1659. O artigo foi publicado anonimamente em 1693 no periódico Le Mercure Galant. Nesse mesmo periódico, no ano seguinte, foi publicada em duas partes a dissertação do advogado do Parlamento de Paris, Marigner. Em 1728 foi publicada a dissertação de Michaël Ranft, filósofo alemão, a qual circulou no meio letrado francês. Por último, a dissertação do monge beneditino Dom Augustin Calmet, que quando da publicação de sua terceira edição teve o nome modificado de dissertação para tratado. A análise dessas produções busca compreender as mudanças de sentido nas categorias de natural e sobrenatural e suas relações com a morte e a imaginação. Ao longo dos séculos XVII e XVIII o autor destaca um processo que denominou de controle da imaginação investigativa que redirecionou os esforços investigativos para a Natureza, contribuindo para o recuo de Satã nos sistemas explicativos sobre o mundo e seu funcionamento. Os vampiros estão incluídos num contexto maior de redução do elemento sobrenatural nas explicações e no desenvolvimento de teorias sobre as potencialidades da imaginação.