Aninhá Vaguretê: Corpo e Simbologia no Ritual do Torém dos Índios Tremembé

Ref: 978-85-473-4608-9

Invoco para estar presente nesta obra os “encantados”, para nos inspirar de modo sagrado. E convido-os, antes da leitura, a tomar um pouco da bebida tradicional do povo Tremembé: o mocororó (a bebida alucinógena, feita do caju azedo), para, assim, adentrarmos o universo sagrado e profano desse ritual.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 57,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 25,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-4608-9


ISBN Digital: 978-85-473-4609-6


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 30/05/2020


Número de páginas: 171


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Arliene Stephanie Menezes Pereira.

Invoco para estar presente nesta obra os “encantados”, para nos inspirar de modo sagrado. E convido-os, antes da leitura, a tomar um pouco da bebida tradicional do povo Tremembé: o mocororó (a bebida alucinógena, feita do caju azedo), para, assim, adentrarmos o universo sagrado e profano desse ritual. O livro Aninhá Vaguretê: corpo e simbologia no ritual do Torém dos índios Tremembé adentra a cultura indígena, mais especificamente entre os Tremembé da grande Almofala, no município de Itarema, no estado do Ceará (Nordeste do Brasil), onde realiza um estudo sobre a simbologia acerca do ritual do Torém. Para compreender essa cosmovisão de mundo, a autora parte para uma compreensão de base fenomenológica, permitindo apreender como os índios Tremembé sentem suas vivências com o Torém (o ritual sagrado e principal sinal diacrítico entre a etnia). O livro atenua os debates das pesquisas sobre as questões indígenas em Educação Física, em que se tem um número escasso de pesquisadores e dando-se que ainda não há pesquisas sobre os Tremembé na área.