Vozes de Opinião

Ref: 978-85-473-4604-1

Em fevereiro de 1965, sobre o palco do show Opinião, ganhava espaço no cenário artístico nacional Maria Bethânia Telles Vianna Veloso. O espetáculo, produzido pelo Teatro de Arena e dirigido por Augusto Boal, tivera sua estreia em dezembro do ano anterior, com um elenco formado por João do Vale, Zé Keti e Nara Leão, depois substituída por Bethânia.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-4604-1


ISBN Digital: 978-85-473-4605-8


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 15/06/2020


Número de páginas: 127


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Sylvia Toledo.

Em fevereiro de 1965, sobre o palco do show Opinião, ganhava espaço no cenário artístico nacional Maria Bethânia Telles Vianna Veloso. O espetáculo, produzido pelo Teatro de Arena e dirigido por Augusto Boal, tivera sua estreia em dezembro do ano anterior, com um elenco formado por João do Vale, Zé Keti e Nara Leão, depois substituída por Bethânia. Até então desconhecida no eixo Rio/São Paulo, a artista consagrou o ato inaugural de sua carreira aos 17 anos de idade com a interpretação de Carcará, naquela que viria a ser considerada a primeira manifestação de protesto após a instauração do regime militar no Brasil. A assinatura conferida a Carcará pela artista consagrou a sua própria assinatura “como artista”, por meio de uma performance que, revelando a instância semântica que o texto escrito oculta, ressignificou a canção. Consectário lógico da capacidade que possui a performance poética de grafar, por meio da voz, o registro de uma sintaxe expressiva contígua que extravasa os limites da escrita. O que a obra Vozes de Opinião apresenta é uma análise da cena poética de Maria Bethânia em Carcará, à luz dos elementos que compuseram a performance da artista naquele ano de 1965. Trata-se, pois, de uma recuperação dessa cena poética acobertada por uma releitura histórica, realizada à luz de pressupostos teóricos da Teoria da Literatura e da Filosofia da Expressão Vocal. Propõe-se, assim, uma imersão numa performance poética na qual, em substituição à pena da galhofa, prevalece a grafia do corpo sobre o palco, na elemental escritura de sua força motriz: a palavra cantada encarnada na tessitura vocal de Maria Bethânia, na cena poética de Carcará.