Lirismo, Melancolia, Poesia

Ref: 978-65-5523-308-7

O livro Lirismo, Melancolia, Poesia busca olhar para a melancolia por meio de uma perspectiva criativa, considerando a experiência melancólica como condição intrínseca do ser humano, seja por temperamento, perdas, transformações ou fases de vida. Como estado natural da alma, a experiência da melancolia pode ser vivenciada por todos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 47,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 16,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-308-7


ISBN Digital: 978-65-5523-302-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 22/06/2020


Número de páginas: 115


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Márcia Moura Coelho.

O livro Lirismo, Melancolia, Poesia busca olhar para a melancolia por meio de uma perspectiva criativa, considerando a experiência melancólica como condição intrínseca do ser humano, seja por temperamento, perdas, transformações ou fases de vida. Como estado natural da alma, a experiência da melancolia pode ser vivenciada por todos.
Orfeu em busca de Eurídice no Hades é a referência mítica para o tema da perda da alma e de seu entrelaçamento com a poesia, com o lirismo e com o mergulho na noite escura da alma. Na perspectiva junguiana o inconsciente coletivo como natureza é uma escuridão que contém sua própria luz.
Tendo a melancolia como fio condutor, o texto percorre vivências de transformações e perdas. Há uma falta arquetípica na melancolia, a vivência de ter sido apartado de algo a priori. O tema arquetípico do duplo e sua relação com a perda de si mesmo e da identidade surge como base de reflexão e elaboração.
Nas confluências e ramificações dos temas, poemas surgem ao longo do texto, entremeando o fazer analítico e a vivência poética. A poesia é facilitadora da entrada no inconsciente – mundo de paradoxos, de opostos, de imagens; contrários que se unem inusitadamente e se revelam. A linguagem do inconsciente é mítica, poética e simbólica.
Imagens primordiais, voz atemporal, metáforas; o paradoxo de descobrir semelhanças ocultas entre objetos diferentes, a união de opostos, o encontro transformador.
O livro fala de poesia, de melancolia ou do fenômeno de transformação que ocorre na análise?
A proposta é de interlocução, de troca entre fronteiras; no entender da autora esse é um território fronteiriço. Como fronteiriço é o próprio espaço e o trabalho analítico, sempre entre dois mundos, o do consciente e o do inconsciente coletivo, assim como o mundo da poesia, do poema, entre a palavra e o que está além da palavra.