Moral da História

Ref: 978-65-5523-412-1

O livro Moral da História busca atualizar o discurso filosófico, considerando a moral, a ética, a arte e a literatura, como veículos transportadores de lições que ganham forma por meio das fábulas, parábolas e de apólogos – recursos utilizados desde a antiguidade. O autor segue os passos de Homero (sec. IX a. C) e Hesíodo, quando principiaram os ensinamentos por meio do gênero poético.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 42,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 18,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5523-412-1


ISBN Digital: 978-65-5523-437-4


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 21/07/2020


Número de páginas: 131


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Ademar Bogo.

O livro Moral da História busca atualizar o discurso filosófico, considerando a moral, a ética, a arte e a literatura, como veículos transportadores de lições que ganham forma por meio das fábulas, parábolas e de apólogos – recursos utilizados desde a antiguidade. O autor segue os passos de Homero (sec. IX a. C) e Hesíodo, quando principiaram os ensinamentos por meio do gênero poético. Posteriormente, Esopo, Fedro, Horácio e Quintiliano utilizaram, principalmente, a fábula como um recurso pedagógico para atraírem a atenção dos adultos e ensinarem as crianças, desde a mais tenra idade, a observarem as “lições de moral” e a praticarem os bons comportamentos. Reporta-se também à Idade Moderna, quando o francês Jean de La Fontaine insurgiu-se contra os desequilíbrios comportamentais por meio da escrita fabulada e, registra que, na mesma época, no Brasil, Gregório de Matos, deu voz humana aos personagens animais, satirizando as práticas políticas. Essa forma criativa de contestação das imoralidades pessoais chegou à contemporaneidade por meio da dolorosa experiência de Luis Gama e da maestria de Machado de Assis, que fizeram ecoar as admoestações nas profundezas das consciências escravizadas e escravocratas. Dessa forma, o respeitado estilo chegou à contemporaneidade com energia e vigor, e passou a compor a literatura infantil, ao mesmo tempo que seduziu os adultos tornando-os sensíveis e utilitários dos recursos literários e pedagógicos para as práticas educativas. O estilo alegre e criativo do texto, permeado por fábulas, criadas pelo próprio autor, reflete sobre os problemas e os dilemas filosóficos atuais, e contribui para inspirar a renovação dos métodos de ensino nas escolas; quando sugere a prática de reflexões com o público jovem e fornece elementos para animação das reuniões entre os adultos. Por meio da orientação moral, os temas abordados, buscam, no estilo musicado do Rap jamaicano, extrair lições e fundamentá-las conforme a bibliografia refinada do pensamento filosófico. Sempre em busca de extrair lições, por meio da orientação moral, os temas abordados, no estilo musicado do Rap jamaicano, com uma bibliografia refinada no pensamento filosófico, o texto quer inspirar professores e alunos a transformarem as aulas em verdadeiros espetáculos, quando a alegria deverá espantar os maus humores e as caras feias, cedendo espaço para que a busca e produção do conhecimento tornem-se atividades criativas e prazerosas.