A Longa Vida da Natureza-Morta: Gênero, Segregação, Subversão

Ref: 978-65-5523-155-7

A arte é frequentemente organizada em hierarquias injustas, comandadas por detentores de discursos hegemônicos que ecoam e persistem ao longo do tempo. Nessa lógica, a natureza-morta nos dá um exemplo de politização e subversão.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 59,00 R$ 41,30 30% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 59,00 R$ 26,00 56% off

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-155-7


ISBN Digital: 978-65-5523-146-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 03/08/2020


Número de páginas: 109


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Raisa Ramos de Pina.

A arte é frequentemente organizada em hierarquias injustas, comandadas por detentores de discursos hegemônicos que ecoam e persistem ao longo do tempo. Nessa lógica, a natureza-morta nos dá um exemplo de politização e subversão. Se em sua origem ela foi menosprezada pelas academias de arte que a colocaram em último lugar de importância entre os demais gêneros pictóricos, sob o argumento de que o valor residia em obras que se ocupavam do movimento de cavaleiros e lutas, ainda hoje, mesmo com as revisões do romantismo, da modernidade e as flexibilizações da contemporaneidade, não é raro vê-la encaixada em uma outra forma de ranking atual, que valoriza uma dita “arte política” em detrimento de uma “arte estética”. Não é intuito aqui discorrer sobre os conceitos e particularidades de cada uma, mas de questionar segmentações que parecem ainda insistir em incomodar.
Considerando a pintura como território político, o deslocamento da natureza- morta no tempo diz muito, não apenas sobre a história da arte canonizada, mas também sobre as estruturas sociais do ocidente eurocêntrico que ainda reverberam no Brasil, e sobre formas de resistência e contestação de atores segregados. Para os que consideram a natureza-morta entediante, este livro é essencial. Depois de ler A longa vida da natureza-morta, nenhuma obra que envolve objetos inanimados será diminuída, seja ela uma pintura a óleo de flores ou uma instalação com animais empalhados.