As Origens da Usp: Raça, Nação e Branquitude na Universidade

Ref: 978-65-5523-714-6

Durante décadas a Universidade de São Paulo manteve intocado o sonho oligárquico da universidade reservada para poucos: quase não havia negros nos seus cursos mais concorridos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 78,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 27,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-714-6


ISBN Digital: 978-65-5523-713-9


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 26/08/2020


Número de páginas: 359


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Priscila Elisabete da Silva .

Durante décadas a Universidade de São Paulo manteve intocado o sonho oligárquico da universidade reservada para poucos: quase não havia negros nos seus cursos mais concorridos. Inserida numa região em que brancos estão em maioria, a desigualdade social e econômica foi apontada como causa dessa exclusão. Priscila Elisabete da Silva, autora deste livro, desfaz de forma instigante esse mito, mostrando que o mal-estar sobre a questão racial denuncia um não dito enraizado nas origens da USP. Os cafeicultores haviam promovido e incentivado a imigração estrangeira, fazendo dos imigrantes europeus e de seus descendentes a marca da identidade paulista. Buscando na Europa os intelectuais que iriam formar as primeiras gerações universitárias, de certo modo Fernando de Azevedo e Júlio Mesquita Filho, na década de 1930, replicavam, em menor dimensão, estratégia semelhante. O que estava em jogo, no objetivo da USP de então, “formar elites condutoras”, não era, no entanto, a pouca disposição dos brasileiros à modernização social. Por meio de artigos de jornais, correspondências, atas e documentos, Priscila mostra as ligações entre o projeto da Universidade e sociedades eugênicas que tinham em pensadores como Renato Kehl a defesa da naturalização da hierarquia racial. Lançando mão de teorias raciais e adaptando-as aos seus interesses, os mentores da Universidade de São Paulo falavam de raça sem necessariamente explicitá-la, usando de metáforas como doença, atraso e incultura. Não se queria que ex-escravizados, os descendentes de povos deportados da África, fizessem da universidade lugar de elaboração de sua perspectiva, obrigando a sociedade a olhar para si mesma, sem esquecimento do passado, sem o uso de máscaras brancas.