Para uma Sociologia das Visões de Mundo: Cultura, Pensamento e Práticas Sociais

Ref: 978-65-86034-03-5

Segundo Platão, a filosofia encontra sua fonte existencial na experiência da maravilha: por que há algo em vez de nada? A sociologia, por sua vez, encontra sua origem no espanto: a percepção de que o mesmo mundo não é experimentado por todos da mesma maneira é profundamente desestabilizadora.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00 R$ 41,40 10% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-86034-03-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 22/09/2020


Número de páginas: 139


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Rodrigo Vieira de Assis.

Segundo Platão, a filosofia encontra sua fonte existencial na experiência da maravilha: por que há algo em vez de nada? A sociologia, por sua vez, encontra sua origem no espanto: a percepção de que o mesmo mundo não é experimentado por todos da mesma maneira é profundamente desestabilizadora. O que é considerado evidente e tomado como certo por uma parte da sociedade é considerado um escândalo por outros. A divisão entre o morro e o asfalto, a cidade e os subúrbios, as ruas e os muros no Brasil metropolitano oferece talvez o mais nítido contraste possível de um confronto diário entre mundos, culturas e práticas.
Para entender o embate entre os mundos, Rodrigo Vieira de Assis, que veio do Recife para fazer mestrado e doutorado em sociologia no Rio de Janeiro, propõe uma objetivação sociológica das visões do mundo. Produzidas pela sociedade, as visões de mundo reproduzem a divisão do mundo em classes, estratos, estamentos e castas que, apesar de morarem na mesma cidade, vivem em mundos distintos. As divisões entre os mundos são naturalizadas pelas visões de mundo e incorporadas no corpo como esquemas inconscientes de percepção, avaliação e ação. Ao contrário dos antropólogos que abraçaram a virada ontológica, Assis retorna à epistemologia. Em vez de multiplicar os mundos, ele quer entender como diferentes pontos de vista do mundo são, ao mesmo tempo, o produto e o resultado de diferentes pontos de vista no mundo.
Neste livro, que é o resultado de sua dissertação, ele revisita a sociologia do conhecimento de Karl Mannheim, prestando especial atenção à sua sociologia da Weltanschauung, da ideologia e da utopia. Em Mannheim, a sociologia do conhecimento é, ao mesmo tempo, uma sociologia da cultura e uma sociologia do indivíduo. Para interligar estrutura (posição social), cultura (visões do mundo) e práticas (indivíduos), o autor reconstrói a teoria do habitus de Bourdieu. Explorando toda a complexidade das dialéticas entre o objetivo e o subjetivo, a cultura e o individuo, a mente e o corpo, ele oferece uma forte leitura praxiológica do estruturalismo gerativo de Bourdieu. Mais do que uma sociologia das visões de mundo, essa nova síntese de Mannheim e Bourdieu exemplifica uma visão sofisticada do mundo da sociologia que atua ao mesmo tempo como promessa, premissa e inspiração para investigações empíricas futuras.