Suplementos Literários, Imagens e a Imprensa Recifense em Fins da Década de 1920

Ref: 978-65-5523-691-0

Suplementos literários, imagens e a imprensa recifense trata com sensibilidade literária e sagacidade jornalística as relações de gênero nas primeiras décadas do século XX.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 51,00 R$ 35,70 30% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 51,00 R$ 22,00 57% off

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-691-0


ISBN Digital: 978-65-5523-698-9


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 19/10/2020


Número de páginas: 195


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Tércio de Lima Amaral.

Suplementos literários, imagens e a imprensa recifense trata com sensibilidade literária e sagacidade jornalística as relações de gênero nas primeiras décadas do século XX. A partir das edições dos suplementos literários recifenses desse período, o olhar perspicaz do jovem historiador e jornalista Tércio Amaral flagra essas relações apresentando-as num ambiente em que as mudanças sociais, culturais e econômicas foram abordadas pelo jornalismo literário brasileiro, voltado então para uma sociedade que tinha como desafio compreender e assimilar as inovações do novo século, o que incluía temas polêmicos e de interesse do público feminino, a exemplo das discussões sobre o direito de voto para as mulheres, o divórcio e as primeiras bandeiras do feminismo.

O autor aponta o jornalismo literário (imprensa de entretenimento), hoje jornalismo cultural, como um dos principais alvos da consolidação da imprensa brasileira. Ele lembra que no século passado o jornalismo era praticado, em grande parte, por homens e que as mulheres, mesmo não colaborando com frequência para essas publicações como autoras, tornaram-se alvo de parte dos artigos, reportagens, contos e críticas. E que, apesar das restrições às mulheres, muitas conseguiram usar as páginas dos jornais anonimamente para defender espaços e convicções. Sem dúvida, uma bela e reveladora leitura.