Direito Desportivo e Estado No Brasil: Do Corporativismo da Ordem à Lei Pelé

Ref: 978-65-5523-275-2

O livro Direito Desportivo e Estado no Brasil: do corporativismo da ordem à Lei Pelé lança um rico olhar sobre a legislação esportiva brasileira, que desde o período do Estado Novo, de Vargas, esteve diretamente vinculada ao corporativismo da ordem estatal, por intermédio das deliberações do Conselho Nacional dos Desportos (CND), órgão regulador e disciplinador da autonomia dos clubes, das competições, da vigilância e sanções aplicadas às associações, especialmente, no futebol.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 42,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 18,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-275-2


ISBN Digital: 978-65-5523-280-6


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 20/11/2020


Número de páginas: 137


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Aldo Antonio de Azevedo.

O livro Direito Desportivo e Estado no Brasil: do corporativismo da ordem à Lei Pelé lança um rico olhar sobre a legislação esportiva brasileira, que desde o período do Estado Novo, de Vargas, esteve diretamente vinculada ao corporativismo da ordem estatal, por intermédio das deliberações do Conselho Nacional dos Desportos (CND), órgão regulador e disciplinador da autonomia dos clubes, das competições, da vigilância e sanções aplicadas às associações, especialmente, no futebol. Nesse contexto, o Direito Desportivo constituiu um setor estratégico da ação do Estado, que perdurou por 50 anos, inicialmente, até a Lei Zico, de 1993. Além disso, instituiu a tríplice manifestação do esporte (rendimento, escolar e participação), conferiu liberdade às instituições esportivas e abriu um novo campo de atuação do Direito Desportivo no país. Também, a Lei Pelé, seus decretos e leis regulamentadoras, contribuiu para o “fim” do corporativismo estatal, com poucas alterações em relação à Lei Zico. Nesse sentido, a obra propõe-se a dar visibilidade a esse recorte histórico das relações entre o Estado e o Direito Desportivo brasileiro. Pelo conteúdo sociológico, histórico e jurídico, a leitura torna-se instigante a todos que se interessam não apenas pelo Direito Desportivo, mas a profissionais de Educação Física e aficionados pelo esporte e futebol.