K-Pop a Fantástica Fábrica de Ídolos

Ref: 978-65-5820-644-6

O livro K-POP: a fantástica fábrica de ídolos lança um olhar minucioso sobre o fenômeno cultural de proporções globais que a música popular da Coreia do Sul se tornou nos últimos anos, além de recorrer à história milenar da civilização da península coreana e seus desdobramentos econômicos e artísticos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 20,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-644-6


ISBN Digital: 978-65-5820-757-3


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 03/12/2020


Número de páginas: 171


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Dunia Schabib Hany .

O livro K-POP: a fantástica fábrica de ídolos lança um olhar minucioso sobre o fenômeno cultural de proporções globais que a música popular da Coreia do Sul se tornou nos últimos anos, além de recorrer à história milenar da civilização da península coreana e seus desdobramentos econômicos e artísticos. Nascido no início da década de 1990 como uma despretensiosa maneira de fazer música incorporando influências estrangeiras à expressão artística local, o k-pop hoje se apresenta como uma indústria cultural robusta e altamente rentável, conhecida também como indústria do entretenimento sul-coreana. A autora desvela os bastidores desse sistema utilizando o pensamento crítico e altamente reflexivo a respeito da sociedade moderna dos filósofos alemães Theodor W. Adorno e Max Horkheimer e do escritor marxista francês Guy Debord. Analisando o fenômeno do k-pop, a obra mostra a crueldade da exploração dos ídolos que, apesar de sua fama, aparecem mais como mercadorias utilizadas até seu esgotamento e descarte, em um processo de mais-valia virtual que os reduz a coisas controladas constantemente em suas vidas públicas e particulares por megaempresários. Esse movimento cultural de exportação articula não apenas canções, mas estilos de vida ligados à moda, comportamento, ideologia e tudo que está ligado ao bilionário mercado cultural internacional. Aqui se observa também o apoio estatal, ainda que não financeiro, que busca vender ao mundo a imagem da Coreia do Sul como um país com pessoas bonitas, rico, moderno e sofisticado.