Cultura e Identidade Descendentes de Italianos no Interior do Paraná

Ref: 978-65-5820-581-4

O livro Cultura e identidade: descendentes de italianos no interior do Paraná analisa a dinâmica de ocupação e povoamento de uma pequena comunidade no interior do estado do Paraná.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 78,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 27,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-581-4


ISBN Digital: 978-65-5820-569-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 14/01/2021


Número de páginas: 257


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Aline Tortora de Oliveira .

2. Sônia Maria dos Santos Marques .

O livro Cultura e identidade: descendentes de italianos no interior do Paraná analisa a dinâmica de ocupação e povoamento de uma pequena comunidade no interior do estado do Paraná. No texto, têm centralidade as discussões sobre identidade, cultura local e, a partir das narrativas dos moradores de descendência italiana (maioria dos que vivem naquele lugar), damos a conhecer as experiências cotidianas, as relações com a educação e a escola, as práticas que envolvem a preparação da festa, produção e usufruto dos alimentos que nutrem os corpos e as relações daqueles que partilham de um mesmo espaço de vida. O leitor encontrará depoimentos, documentos, imagens fotográficas que ajudam a adentrar no cotidiano da comunidade que foi investigada e auxiliam a compor uma ¬figura complexa. Assim, compusemos um texto que tenta apreender o movimento do vivido e é indicado ao público interessado em conhecer as formas que uma determinada comunidade se vale para produzir uma imagem de si e dos outros. É como se transitássemos no “tempo da narrativa” e abríssemos um álbum de família no qual fôssemos envolvidos pela profusão de cenas da vida cotidiana, pela memória que se recria no momento que o sujeito assume a função de narrador que tenta conferir legitimidade ao seu relato, investindo em determinadas identidades e contestando outras.