Escolas sem Professores: Rádio e Educação a Distância no Brasil nas Décadas de 1920-40

Ref: 978-65-5820-526-5

Este trabalho é o resultado atualizado de minha pesquisa de mestrado defendida em 1994, sob o título “Escolas Sem Professores: o rádio educativo nas décadas de 1920–40”, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. As fontes analisadas surpreenderam articulações entre projetos de “regeneração nacional” e a implantação da radiodifusão educativa entre as décadas de 1920 a 40 no Brasil, resgatando sinais de tensões socioculturais na organização técnica e na preparação de programas radiofônicos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-526-5


ISBN Digital: 978-65-5820-495-4


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 19/01/2021


Número de páginas: 193


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Newton Dangelo.

Este trabalho é o resultado atualizado de minha pesquisa de mestrado defendida em 1994, sob o título “Escolas Sem Professores: o rádio educativo nas décadas de 1920–40”, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. As fontes analisadas surpreenderam articulações entre projetos de “regeneração nacional” e a implantação da radiodifusão educativa entre as décadas de 1920 a 40 no Brasil, resgatando sinais de tensões socioculturais na organização técnica e na preparação de programas radiofônicos.

A investigação acompanhou, ainda, intervenções realizadas por educadores ligados ao movimento da Escola Nova sobre a radiodifusão, articulando tentativas de padronização das irradiações para uniformizar valores e costumes sociais.

Procuramos também desvendar, por meio dos discursos e projetos de regulamentação e controle da radiodifusão provenientes desses agentes, nuances das relações de poder que envolveram a organização de recursos audiovisuais no ensino e de mecanismos de controle sobre a audiência para uma “educação dos sentidos”, acompanhando, porém, possibilidades autônomas de sua utilização e recepção.