No Limiar: a Dor

Ref: 978-65-5820-428-2

A dor é uma construção cultural e ao longo da história ganhou diversos significados. Até a constituição do sentido atual, encontramos dois momentos centrais de virada: a assunção de um sentimento de si e a clínica médica moderna, pautada na anatomia e no olhar. 


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00 R$ 36,40 30% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 52,00 R$ 23,00 56% off

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-428-2


ISBN Digital: 978-65-5820-429-9


Edição: 1


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 197


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 160 cm


Comprimento: 230 cm


Altura: 2 cm


1. Clarice Medeiros.

A dor é uma construção cultural e ao longo da história ganhou diversos significados. Até a constituição do sentido atual, encontramos dois momentos centrais de virada: a assunção de um sentimento de si e a clínica médica moderna, pautada na anatomia e no olhar. A partir da medicina moderna e da criação da psicanálise, a dor apresenta-se como um fenômeno limite, que explicita a torção da concepção cartesiana realizada pela teoria psicanalítica na medida em que não é mais possível conceber uma dicotomia entre mente e corpo. Nesse percurso de investigação sobre o lugar da dor a partir da psicanálise, dedicamo-nos às modalidades da dor: sintoma, fenômeno psicossomático, luto e melancolia, e, em especial, a oriunda da lesão. A dor advinda da lesão demonstra uma quebra da noção de causalidade, que, por ser da ordem do trauma, ao se incorporar, apaga um antes e um depois; ao desorganizar, organiza, ao mesmo tempo, o psiquismo. A partir de então, debruçamo-nos sobre a incidência clínica da dor, concebendo-a como destinos da dor, petrificação, silêncio e grito. Nessa trajetória, em que a dor é o objeto de estudo, deparamo-nos com o desafio imposto à clínica psicanalítica.