Manguebeat: A Cena, o Recife e o Mundo

Ref: 978-65-5820-578-4

Manguebeat: a cena, o Recife e o mundo trata de um dos acontecimentos musicais mais interessantes do final do século XX no Brasil. Descrever o manguebeat como “acontecimento” é uma maneira de contornar a polissemia da palavra, sublinhada por Luciana Mendonça já na introdução do livro: visto ora como “ritmo” ou “gênero” musical, ora como “movimento”, ora ainda como “cena”, ele é um pouco de cada uma dessas coisas, sem se restringir a nenhuma delas. Ninguém duvide, porém, que o manguebeat “aconteceu”, como se diz de um artista que “finalmente aconteceu”: entrou nas conversas, nos circuitos, nas escutas; deixou (e continua a deixar) uma marca; deixou (e continua a deixar) o mundo (e não só a música) diferente do que era antes.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 59,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 26,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-578-4


ISBN Digital: 978-65-5820-571-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 08/01/2021


Número de páginas: 313


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Luciana Ferreira Moura Mendonça .

Manguebeat: a cena, o Recife e o mundo trata de um dos acontecimentos musicais mais interessantes do final do século XX no Brasil. Descrever o manguebeat como “acontecimento” é uma maneira de contornar a polissemia da palavra, sublinhada por Luciana Mendonça já na introdução do livro: visto ora como “ritmo” ou “gênero” musical, ora como “movimento”, ora ainda como “cena”, ele é um pouco de cada uma dessas coisas, sem se restringir a nenhuma delas. Ninguém duvide, porém, que o manguebeat “aconteceu”, como se diz de um artista que “finalmente aconteceu”: entrou nas conversas, nos circuitos, nas escutas; deixou (e continua a deixar) uma marca; deixou (e continua a deixar) o mundo (e não só a música) diferente do que era antes.
A nova cena pernambucana despertou interesse de pesquisadores praticamente desde que começou. A fertilidade do mangue, tão decantada por Fred Zeroqua - tro e seus amigos, valeu para trabalhos acadêmicos também. A bibliografia sobre o manguebeat e sobre a música popular pernambucana ganha com este livro uma significativa contribuição, e também se vê enriquecida a reflexão sobre música e globalização, sobre tradições culturais e movimento sociais, e sobre uma sociolo - gia da música de forte base etnográfica.
- Carlos Sandroni
Para quem acompanhou ou, como no meu caso, vivenciou intensamente o desenrolar dessa cena, não há como folhear as centenas de páginas de criteriosa e apaixonada pesquisa a seguir sem se imaginar adentrando numa sala high-tech de um desses multiplexes furtivos e ver se descortinando em sua rede neural de bits e pixels orgânicos uma aventura multicolorida em 3D.
Ator coadjuvante da narrativa, cujo protagonista faleceu num acidente ocorrido décadas atrás – no limite entre as galáxias de Recife e Olinda –, assimilo o roteiro da película como uma teia afetiva, cujo fio condutor tem início em meados de 1992 e culmina no sombrio carnaval – pré-pandemia – de 2020.
E é óbvio que não se trata apenas de música popular. É um intenso filme sobre hibridismos culturais. Centro e periferia. Sobre territórios, fronteiras, antenas, geografia. Sobre identidades fluidas, não lugares, utopias.