Corpos em Aliança: Diálogos Interdisciplinares sobre Gênero, Raça e Sexualidade

Ref: 978-65-5523-408-4

Em diálogo com as discussões sobre raça e sexualidade, os estudos de gênero buscam problematizar os discursos, as tecnologias e as práticas histórico-sociais fundantes da inteligibilidade dos corpos e das subjetividades, assim como os processos de exclusão-inclusão dos sujeitos na sociedade.


Calcule o frete

Opções de entrega:


Versão digital
R$ 22,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-408-4


ISBN Digital: 978-65-5523-408-4


Edição: 1


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 31/07/2020


Número de páginas: 303


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Ana Claudia Aymoré Martins .

2. Elias Ferreira Veras.

Em diálogo com as discussões sobre raça e sexualidade, os estudos de gênero buscam problematizar os discursos, as tecnologias e as práticas histórico-sociais fundantes da inteligibilidade dos corpos e das subjetividades, assim como os processos de exclusão-inclusão dos sujeitos na sociedade. A presente obra, fruto das discussões realizadas no II Colóquio Diálogos Interdisciplinares sobre Gênero, Raça e Sexualidade: corpos em aliança, organizado pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Gênero e Sexualidade (GEPHGS), do Curso de História da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), parte desses referenciais e insere-se nesse contexto de transformações. Diante do atual cenário brasileiro, marcado pela crescente precariedade, que afeta, particularmente, trabalhadores/as, negros/as, mulheres e LGBTQI+; pela persistência de preconceitos de gênero e sexualidade (perpassados por preconceitos de classe e de raça), é preciso pensar, historicamente e, de modo interseccional, as relações de gênero, de modo que a universidade não seja, ela também, produtora de desigualdades, invisibilidades e exclusões.