Convivência com o Semiárido: Mobilizações Sociais, Políticas Públicas e Agricultura Familiar

Ref: 978-65-5820-738-2

O livro Convivência com o Semiárido: mobilizações sociais, políticas públicas e agricultura familiar foca na dimensão propositiva das mobilizações da sociedade civil. Faz um recorte para as dinâmicas de mobilização social no ambiente político do Semiárido brasileiro, abrindo um debate sobre a capacidade de influência da sociedade civil nos processos de discussão, gestão e implementação de políticas fortalecedoras da agricultura familiar.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 78,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5820-738-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 18/02/2021


Número de páginas: 379


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Marcelino Lima.

O livro Convivência com o Semiárido: mobilizações sociais, políticas públicas e agricultura familiar foca na dimensão propositiva das mobilizações da sociedade civil. Faz um recorte para as dinâmicas de mobilização social no ambiente político do Semiárido brasileiro, abrindo um debate sobre a capacidade de influência da sociedade civil nos processos de discussão, gestão e implementação de políticas fortalecedoras da agricultura familiar.

A obra realça a importância histórica das mobilizações sociais da sociedade civil, com o apoio da cooperação internacional e instâncias governamentais. Salienta, ainda, dois pontos de inflexão nessa história: a ocupação da Sudene em 1993, por agricultores e agricultoras de todo o Semiárido; e o começo da atuação, no início do ano 2000, da rede sociotécnica Articulação no Semiárido Brasileiro, a ASA Brasil, ambos de extrema relevância para reconfigurar o modus operandi das mobilizações populares no campo e sua efetividade sociopolítica e institucional na luta por direitos, principalmente o direito à terra e à água.

O exemplar resgata o debate sobre o velho paradigma do combate à seca e suas consequências sociais e políticas, bem como realça a importância da construção processual de outro paradigma, o da convivência com o Semiárido. Este, por sua vez, fundado em processos de mobilização social, orientado pelos princípios da agroecologia enquanto ciência, técnica e movimento social e referenciado em metodologias de experimentação participativa e comunicação em rede, configurados num seguimento de trabalho que teve origem na Rede PTA, a mãe de todas as redes sociotécnicas.

O livro também faz uma análise das políticas públicas para a agricultura familiar e aborda o tema da sustentabilidade, resiliência, estabilidade e equidade dos sistemas de produção no Semiárido referenciados na ciência da agroecologia. Apoia-se em autores pesquisadores, bem como no conjunto de informações e dados recolhidos durante o processo de pesquisa, especialmente nas entrevistas.