Manifestações Brasileiras Pós 2013: O que Aprendemos?

Ref: 978-65-5820-374-2

O livro Manifestações pós-2013: o que aprendemos? é um mergulho na experiência de manifestantes cariocas com engajamentos e vivências singulares. As manifestações em 2013 se constituíram como uma experiência nova para a atual geração, que se somou às vivências do “Fora Collor” e das “Diretas Já” nas memórias de um grupo anterior já acostumado com as vicissitudes do processo político e social que organizam as ruas.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 58,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 20,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-374-2


ISBN Digital: 978-65-5820-361-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 16/03/2021


Número de páginas: 185


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Giselly Guida Leite.

O livro Manifestações pós-2013: o que aprendemos? é um mergulho na experiência de manifestantes cariocas com engajamentos e vivências singulares. As manifestações em 2013 se constituíram como uma experiência nova para a atual geração, que se somou às vivências do “Fora Collor” e das “Diretas Já” nas memórias de um grupo anterior já acostumado com as vicissitudes do processo político e social que organizam as ruas. A rua surge como o “espaço da verdade” nesse encontro entre gerações que aprenderam a se organizar por meio das redes sociais virtuais. As contradições, os arrependimentos, os aprendizados, o encontro e a construção de ideais políticos são o que se apresenta neste livro, que contribui para a compreensão da organização das novas manifestações de rua. São histórias pessoais, sociais e políticas dos manifestantes que encontram na rua um espaço ressignificado como casa. A rua-casa potencializa a empatia nas relações humanas de cidadãos separados por valores religiosos, econômicos e políticos. O manifestante surge como “cúmplice” no comprometimento por mudança social e política no espaço da rua marcado pela ambivalência da violência, tanto de manifestantes quanto do poder político representado, por vezes, pela polícia. As histórias se atravessam construindo uma rede simbólica pautada em valores que realçam a construção do juízo crítico político e social da nova geração de manifestantes.