A Origem da Mídia Ninja no Discurso dos Jornalistas

Ref: 978-65-5820-609-5

Polarização, os desafios do governo Bolsonaro, o esforço de Lula para reerguer a esquerda, a falta de representatividade, as fake news e a influência das redes sociais a reboque, sobretudo, do WhatsApp. Esse cenário tem raízes nas Manifestações de 2013.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 58,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5820-609-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 23/02/2021


Número de páginas: 195


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Marcello Riella Benites.

Polarização, os desafios do governo Bolsonaro, o esforço de Lula para reerguer a esquerda, a falta de representatividade, as fake news e a influência das redes sociais a reboque, sobretudo, do WhatsApp. Esse cenário tem raízes nas Manifestações de 2013. Quando jovens com celulares e streamings divulgaram imagens ao vivo dos protestos, driblando a mídia tradicional, houve quem apostasse no fim do jornalista. Sem previsões apocalípticas ou teorias da conspiração, pode-se dizer que a Mídia Ninja levou a repensar a função da imprensa e desses profissionais.
O jornalista Marcello Riella Benites olhou-se no espelho e contemplou o próprio papel e o dos colegas a partir do impacto das Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação (NTICs). Antes de chegar aos Ninjas, o autor percorre a história da tecnologia e da comunicação desde os mitos e da filosofia grega até a revolução da internet, passando pelos episódios fundamentais da cultura, como o Iluminismo.
Da pesquisa, utilizando a metodologia da Análise do Discurso, emerge um profissional com identidade fragilizada, discurso fragmentado e autoestima em queda. Mas há (e muita!) esperança no resgate de ideais e na sinergia entre jornalismo e narrativas midiáticas via NTICs. Este é um livro para animar os jornalistas a continuarem sua luta e um convite aos demais leitores a valorizarem essa profissão fundamental para a democracia.