O Cinema Político Latino-Americano: Militância em Operación Masacre, de Jorge Cedrón (Argentina, 1972)

Ref: 978-65-250-0410-5

Este trabalho tem como objetivo analisar o cinema clandestino como instrumento e manifesto político. O objeto e a fonte principal desta obra compreendem o filme argentino Operación Masacre, de 1972, dirigido por Jorge Cedrón durante a ditadura da Revolução Argentina, levando em conta o seu trânsito na nova esquerda peronista e no movimento do Nuevo Cine Latinoamericano.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-0410-5


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 24/03/2021


Número de páginas: 165


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Mirela Bansi Machado.

Este trabalho tem como objetivo analisar o cinema clandestino como instrumento e manifesto político. O objeto e a fonte principal desta obra compreendem o filme argentino Operación Masacre, de 1972, dirigido por Jorge Cedrón durante a ditadura da Revolução Argentina, levando em conta o seu trânsito na nova esquerda peronista e no movimento do Nuevo Cine Latinoamericano. Essa película foi baseada no livro de jornalismo investigativo escrito por Rodolfo Walsh sobre um fuzilamento de mais de dez homens durante a Revolução Libertadora, que depôs Perón e proscreveu o peronismo. O documentário francês La spirale, de 1976, projeto de Chris Marker sobre o complô do golpe militar em cima de Salvador Allende no Chile, também aparece neste texto como obra latino-americana a ser pensada na mesma conjuntura política da época. Durante os anos 1960 e 1970, surgia a ideia de mudança revolucionária expressada no campo político, social e cultural na América Latina, que serviu de base para uma militância armada nas ruas e na arte. A experiência, o sentimento e o projeto de memória dos argentinos e chilenos são o apoio principal para compreender as referidas produções.