O Nascimento da Psicologia Social no Brasil: uma Crítica a Raul Briquet

Ref: 978-65-250-0553-9

Um dos débitos que a Psicologia ainda tem a pagar com a sociedade decorre de sua recusa em fazer a crítica da própria história, ou seja, dos seus saberes e fazeres historicamente constituídos que a tornam uma ciência ideológica.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 68,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 30,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-0553-9


ISBN Digital: 978-65-250-0552-2


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 30/03/2021


Número de páginas: 399


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Thiago Bloss de Araújo.

Um dos débitos que a Psicologia ainda tem a pagar com a sociedade decorre de sua recusa em fazer a crítica da própria história, ou seja, dos seus saberes e fazeres historicamente constituídos que a tornam uma ciência ideológica. O livro O nascimento da Psicologia Social no Brasil: uma crítica a Raul Briquet, do jovem pesquisador Thiago Bloss de Araújo, contribui para essa necessária crítica ao desvelar algumas das importantes determinações históricas, sociais e políticas presentes na constituição da Psicologia Social no Brasil.
Em um momento em que o país se paralisa frente aos mandos e desmandos autoritários de um presidente legitimado pelas classes dominantes, este livro serve como uma denúncia ao projeto de modernização conservadora das nossas elites, historicamente defensoras de um liberalismo escravocrata e forjadas em um país recém saído da escravidão no início do século passado. Deste modo, fazer a crítica do chão social em que estão inseridas as ideias e concepções da Psicologia torna-se também um exercício de elaboração do seu passado. É este compromisso ético-político que o autor defende ao afirmar que “a Psicologia Social sempre se posicionou frente ao autoritarismo de seu tempo, seja para reiterá-lo, seja para negá-lo até às últimas consequências. Desta maneira, uma Psicologia que se pretende crítica, deve insistir no exercício de escovar a própria história a contrapelo”.