A Desordem: A Arte de Pensar com a Própria Cabeça

Ref: 978-65-250-0360-3

Em A Desordem: a arte de pensar com a própria cabeça, o autor revela, sem pudor, sua opinião a respeito dos assuntos mais polêmicos e controversos da atualidade. Aqui você encontrará 30 ensaios curtos, de fácil leitura, todos com começo, meio e fim, cujos temas abordados incluem religião, política, ciência, cultura, sociedade e muitos outros.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 43,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-0360-3


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 01/04/2021


Número de páginas: 101


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Samuel Delmonte.

Em A Desordem: a arte de pensar com a própria cabeça, o autor revela, sem pudor, sua opinião a respeito dos assuntos mais polêmicos e controversos da atualidade.

Aqui você encontrará 30 ensaios curtos, de fácil leitura, todos com começo, meio e fim, cujos temas abordados incluem religião, política, ciência, cultura, sociedade e muitos outros.

O livro é escrito com base em algumas tendências filosóficas tais como o Romantismo, Ceticismo, Realismo e o Anarquismo Filosófico, que estão longe de ser propostas de organização, ou de um movimento qualquer; pelo contrário, são eles uma forma de rebelião intelectual, uma resistência ao autoritarismo dos dogmas e costumes preconcebidos, impostos por uma sociedade decadente, que se arrasta e já não mais sustenta o seu discurso do politicamente correto.

Esta obra é indicada para aqueles de espírito livre, que pouco a pouco se libertam das garras da servidão e já não toleram ser submetidos, às cegas, às palavras e dizeres de ninguém, sem antes refletir e discernir a respeito, para então emitir sua opinião singular sobre o que lhe foi dito.

O autor recomenda o livro também a todos aqueles de opinião e visão de mundo distintas. Seria uma excelente oportunidade para refutarem ou, quiçá, reformularem suas concepções sobre a realidade que nos cerca.

Somente quando questionamos as coisas estamos exercendo o ato de pensar. Aceitar condições impostas sem antes raciocinar o porquê alimenta a ignorância.