Corpos Negros, Linguagens Brancas: O Mito da Boa-Aparência

Ref: 978-65-5523-434-3

Diariamente há ocorrências de insultos raciais, por vezes aparecem na mídia, e, em razão dessa dimensão midiática, as discussões sobre o assunto se avolumam. Os debates, geralmente, giram em torno dos agressores racistas. Embora essas denúncias e suas consequentes punições sejam imprescindíveis, o que se observa é um esvaziamento do discurso sobre o racismo como fenômeno presente na sociedade brasileira.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 27,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-434-3


ISBN Digital: 978-65-5523-419-0


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 18/05/2021


Número de páginas: 227


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Denise Maria Soares Lima.

Diariamente há ocorrências de insultos raciais, por vezes aparecem na mídia, e, em razão dessa dimensão midiática, as discussões sobre o assunto se avolumam. Os debates, geralmente, giram em torno dos agressores racistas. Embora essas denúncias e suas consequentes punições sejam imprescindíveis, o que se observa é um esvaziamento do discurso sobre o racismo como fenômeno presente na sociedade brasileira. Isto é, ao se tratar de expor individualmente os envolvidos em crimes raciais deixa-se, convenientemente, de aproveitar esses eventos para a reflexão de como a nação se porta em relação ao racismo e o quanto “se importa” em relação à população negra. De modo que, como uma “raridade”, o indivíduo racista é execrado socialmente e só. Quiçá, ocorra uma ação judicial, certamente, não virá ao conhecimento público; no desfecho, as mídias se harmonizam à espreita de um “novo racista”. Situações como essas se tornaram corriqueiras, assim como se banalizou a questão sobre a morte em massa de jovens negros no país. Nesse cenário de desigualdades raciais, acentua-se mais ainda a prática de discriminações contra mulheres negras, que continuam segregadas socialmente por elementos étnico-raciais e de gênero, ambos marcadores de privilégios na ordem social vigente. Histórias como a de Simone Diniz registram na justiça nacional e internacional um exemplo corriqueiro de discriminação racial constatado no mercado de trabalho por mulheres negras: “contratação de pessoa branca”. Como Diniz, muitas Simones estão diariamente expostas a discursos preconceituosos, discriminatórios ou carregados de estereótipos, sutis ou escancarados, seja na mídia ou nos demais espaços sociais. Os apelos a uma “boa aparência” demarcam relações étnico-raciais hierarquizadas, desumanizando e discriminando as mulheres negras, impondo-lhes um estigma, individual ou coletivamente. Nessa perspectiva, a obra Corpos negros, linguagens brancas: o mito da boa-aparência, estabelece diálogos com jovens negras a fim de ouvir o que dizem sobre si mesmas, quais estéticas produzem, quais modelos resistem, rejeitam ou anuem. Seus sins e seus nãos, suas histórias e experiências, no contexto educacional. Eis aqui algumas dessas vivências e trajetórias para despertar reflexões instigantes e inovadoras acerca de si mesmo, da outra, do outro e de nós, todos nós.