Reprodutivismo e Educação: Uma Análise Crítica sobre a Educação Básica

Ref: 978-65-250-0521-8

O livro Reprodutivismo e Educação: uma análise crítica sobre a educação básica parte da compreensão do trabalho humano como ação para a produção de bens materiais e/ou imateriais, que se inserem tanto no trabalho docente como em qualquer outra atividade de produção, sendo, acima de tudo, de fundamental importância para o modo de produção capitalista no atual contexto.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 44,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-0521-8


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 01/06/2021


Número de páginas: 149


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Gilberto José de Melo.

O livro Reprodutivismo e Educação: uma análise crítica sobre a educação básica parte da compreensão do trabalho humano como ação para a produção de bens materiais e/ou imateriais, que se inserem tanto no trabalho docente como em qualquer outra atividade de produção, sendo, acima de tudo, de fundamental importância para o modo de produção capitalista no atual contexto. A teoria reprodutivista, elemento significativo para este trabalho, relaciona-se com o materialismo histórico, dispondo da luta de classes como referência para a práxis revolucionária, que possibilita uma transformação na infraestrutura e na superestrutura capitalistas. Assim, a despeito do reprodutivismo, que é inevitável na estruturação social vigente, o professor pode buscar interferir na realidade concreta tendo em vista uma transformação que venha a revolucionar o mundo, em favor de uma sociedade sem exploradores e explorados. Para a compreensão dessa prática, empreendeu-se, neste trabalho, uma pesquisa bibliográfica com análises de textos de Dermeval Saviani (1991, 2003, 2013), entre outros autores. Como referência básica, foram utilizadas também as obras de Louis Althusser (1985, 1999), para a conceituação dos aparelhos ideológicos de Estado e seu reprodutivismo. Nesse sentido, este livro pretende mostrar que o sistema educacional vigente no Brasil, como um aparelho ideológico de Estado, visa a contribuir para a manutenção da exploração capitalista e para a perpetuação da classe dominante no poder. Este livro responde ainda à seguinte questão: até que ponto a práxis revolucionária dos trabalhadores e dos estudantes pode direcionar o processo histórico a um caminho distinto daquele determinante para o modo de produção capitalista, rompendo com o seu reprodutivismo? Trata-se, portanto, de um livro de natureza qualitativa e bibliográfica.