O Pronera e a Garantia do Direito à Educação: A Experiência do Tecnólogo em Agroecologia do IFPR/ELAA no Assentamento Contestado

Ref: 978-65-250-1005-2

O Pronera e a Garantia do Direito à Educação apresenta uma pesquisa qualitativa sobre o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), compreendido como uma política pública voltada para a escolarização dos sujeitos do campo beneficiários da Reforma Agrária, a partir de um estudo de caso, o do curso superior de Tecnologia em Agroecologia ofertado pelo câmpus Campo Largo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná em parceria com a Escola Latino Americana de Agroecologia (Via Campesina/MST).


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 42,00 R$ 29,40 30% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-1005-2


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 30/06/2021


Número de páginas: 133


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. João Cláudio Madureira.

O Pronera e a Garantia do Direito à Educação apresenta uma pesquisa qualitativa sobre o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), compreendido como uma política pública voltada para a escolarização dos sujeitos do campo beneficiários da Reforma Agrária, a partir de um estudo de caso, o do curso superior de Tecnologia em Agroecologia ofertado pelo câmpus Campo Largo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná em parceria com a Escola Latino Americana de Agroecologia (Via Campesina/MST). A partir da utilização de referenciais bibliográficos, documentos, legislação e dados de pesquisa por meio de entrevistas e da aplicação de questionários, o autor procura caracterizar essa política pública como um espaço de luta, organização e garantia do direito à educação, com foco na percepção dos sujeitos do campo quanto à democratização do acesso ao ensino superior público. Partindo de pressupostos e elementos conceituais baseados no materialismo histórico-dialético, a obra analisa a experiência do curso como um instrumento efetivo de construção contra-hegemônica na direção do atendimento às especificidades da educação profissional do campo com vistas à qualificação profissional e formação omnilateral dos sujeitos do campo numa perspectiva emancipatória e de transformação social.
O autor afirma a necessidade da continuidade e ampliação do Pronera enquanto instrumento de acesso dos sujeitos do campo à educação e alerta para as consequências da paralisação dos cursos em andamento em todo o país em função de mudanças nos processos de tomada de decisão no âmbito do governo federal a partir de 2019.